Domingo, 23 de Janeiro de 2022
Acusações

'Se Eduardo Braga fosse um vírus ele seria a Covid-19', diz José Melo

Em sua primeira entrevista após a cassação de seu mandato, em 2017, o ex-governador José Melo afirmou que chegou a escrever uma carta indicando todos os responsáveis pela prisão dele



Sem_titulo_2_99379D52-E663-45CE-953F-DBFDE8763E13.jpg Foto: Arquivo A CRÍTICA
08/11/2021 às 10:10

Confirmado como pré-candidato à uma vaga de deputado estadual nas eleições de 2022, o ex-governador José Melo (Pros) afirmou que foi traído pelo senador Eduardo Braga (MDB). Segundo fala em entrevista à rádio Tiradentes, Melo afirma que o sentimento de injustiça com os "verdadeiros culpados" pela sua prisão por desvios na saúde teria levado a quase cometer suicídio.

Essa é a primeira aparição do ex-governador, após a cassação do mandato dele, em 2017, por compra de votos e prisão por suspeitas de desvio de dinheiro público, destinado à saúde. Melo foi categórico ao culpar Braga de usar a sua influência no governo federal para arquitetar a saída dele do Executivo estadual e posterior condenação. À época, o senador era ministro de Minas e Energia no Governo do PT. 
 
Melo justificou que o silêncio durante tanto tempo foi consequência das lições que teve após sucessivas "traições e injustiças". O ex-governador que foi homem de confiança de Braga, disse que havia um acordo com o senador para que ele o ajudasse em sua campanha ao governo do Amazonas, que não foi cumprida, e ao invés disso os dois competiram no pleito em que Melo foi eleito. 



"Eu acho que se o Eduardo fosse o vírus ele seria o covid-19. Ficava em todos os ministérios, em todos os cantos. Eu não conseguia  governar, porque ele tivaram intervia no governo federal. Eu me considero uma vítima do Eduardo Braga. Primeiro: eu me dediquei igual um desgraçado para elege-lo governador contra o Amazonino, que era uma lenda. Segundo: ele tinha um compromisso formal comigo que era me eleger governador. Terceiro que essa história da Nair Blair foi uma enorme invenção", narrou o ex-governador em referência a acusação de compra de votos ao qual empresaria Nair Blais foi absolvida e ele permaneceu como sendo acusado. 

"Me considero uma vítima de alguém que eu confiei e que o povo do Amazonas sempre confiou, mas que eu espero que não confia mais", completou Melo.  

Com os olhos marejados, José Melo contou ainda que após a sua saída da prisão mediante uso de tornozeleira eletrônica, ouviu acusações de pessoas nas ruas e escreveu uma carta com 110 laudas na qual narrava as supostas traições de políticos amazonenses, mas que desistiu após a gravidez de uma sobrinha e por isso rasgou e queimou o texto. 

"Eu sei que existe o Deus e o diabo e naquelas 110 laudas. Eu escrevi toda a história da minha vida e de todos os políticos que eu convivi. Uma herança maldita para os meus filhos, uma herança maldita para mim que ia tirar a minha própria vida e iria pro inferno. As mágoas desapareceram quando a Helena apareceu na minha vida. Helena é o nome da criança", disse.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.