Sexta-feira, 03 de Abril de 2020
Musical

Ator do AM integra elenco de musical paulista inspirado em filme

Sam Sabbá, de apenas 11 anos, viverá o personagem Mike TV no musical 'Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate'. Ele foi um dos 15 escolhidos, entre 700 candidatos, para integrar o elenco infantil da obra



sam_A317BD19-9F15-4567-A4A6-8C582F49C120.jpeg Fotos: Arquivo Pessoal e Divulgação
08/03/2020 às 13:14

Nas duas versões do filme “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (1971 e 2005), o pequeno Mike TV é um garoto rebelde apaixonado por videogame e televisão. Do mundo dos filmes, ele volta a se personificar no musical “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate”, que estreará no dia 19 de março no Teatro Alfa, em São Paulo. Nesta versão dos palcos brasileiros, o menino não vive em um mundo real, não gosta muito de pessoas e acha todos uns verdadeiros “losers” (perdedores).

O intérprete tupiniquim de Mike TV no musical da terra da garoa, por sua vez, é o amazonense Samuel Sabbá, de 11 anos. Assim como nos filmes, o musical também narra a história de Willy Wonka, que, ávido para achar um novo dono para a sua famosa fábrica de chocolates, coloca cinco bilhetes dourados dentro de seus doces e os espalha pelo mundo. As crianças “sorteadas” ganham o direito de visitar a fábrica, cuja atmosfera mágica acaba fazendo o filtro daqueles que têm a pureza de coração necessária para ser o sucessor de Willy no local. 



“Mike é um dos felizes ganhadores do bilhete dourado”, declara Sam, em entrevista ao BEM VIVER TV. Outra característica do personagem que o menino destaca é o fato de ser debochado – o que, segundo Sabbá, o torna engraçado. 

Sam afirma que participou das audições abertas e que estava no aguardo pelo anúncio da seleção. “Eu já sabia que o musical viria para o Brasil”, conta ele. Ao todo, foram seis etapas de seleção, distribuídas entre idas e vindas dele nas cidades de Manaus e São Paulo. “Desde a primeira etapa, eu já conhecia as músicas – já estavam na playlist do meu celular em inglês (risos)”, comenta ele, que sempre gostou de dança e teatro e que começou a estudar canto aos seis anos de idade.

 Nas audições, os concorrentes receberam as canções traduzidas para o português, o que levou Sam a estudar com seus professores de canto, Carlos Júnior e Andréia Vitfer. “Estudei o musical pelo Youtube, ficando por dentro do que eles buscavam. Vim preparado para qualquer papel que me indicassem”, diz Sabbá. Na segunda fase das audições, o perfil artístico do amazonense já estava direcionado a Mike. “Então passei a estudar o Mike, música, corpo e personalidade”, complementa. 

Após ganhar o papel, Sam se mudou com a família para São Paulo no dia 1 de janeiro deste ano. Ele mergulhou em uma rotina de ensaios que começaram um dia após sua chegada na capital paulista. “Temos seis horas de ensaios por dia e ensaiamos diariamente – menos aos domingos”, conta ele, que vai para a escola convencional de manhã e ensaia para o musical entre o período da tarde e da noite. “É uma rotina puxada, mas amo o que faço. Aos domingos jogo bola, pratico paraquedismo indoor e faço aulas de canto”, destaca ele. 

O musical é dirigido pelo canadense John Stefaniuk, que realiza sua terceira incursão no Brasil, após ter colaborado na montagem de “O Rei Leão”, da Disney; e dirigido o musical “Billy Eliot”, do Atelier de Cultura. “Ele é um cara incrível, o que torna a interação do elenco ainda melhor”, conta Sabbá. 

Equipe

O elenco de “Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate” conta com 38 atores em cena, a exemplo de Cleiton Baccic, intérprete de Willy Wonka no musical. No elenco infantil, 15 crianças se revezam de cinco em cinco nas apresentações. “A cada personagem temos três crianças, e nos revezamos nas apresentações porque não daria para conciliar a escola e o teatro se fôssemos apenas um elenco”, destaca o amazonense. 

Ainda segundo Sam Sabbá, o público pode esperar as icônicas cenas dos dois filmes que inspiraram o musical. Elementos como a fonte de chocolate, o laboratório de miniaturização e a sala dos esquilos estão garantidos no palco. Tudo isso será possibilitado graças aos efeitos especiais bastante apurados. 

“Podemos esperar um cenário incrível de 15 metros, com efeitos especiais pirotécnicos, o elevador de vidro que voa pelo palco e a menina que infla como uma amora gigante. A produção também contratou a designer de bonecos Bea Brandauer, de Hamburgo, responsável pelos bonecos da montagem de O Rei Leão, da Disney, para criar os Oompas Loompas, que estão demais”, complementa o estudante.

O garoto de 11 anos garante estar vivendo o momento, mas deseja se qualificar mais nas artes após o musical. “Vou ter mais tempo para estudar canto e dança. Pretendo aproveitar o tempo que estou em São Paulo para voltar com minhas aulas de sapateado e teatro. Há tempos dedico minhas férias para vir a São Paulo estudar. Agora que estou aqui, quero aproveitar todo o tempo para me dedicar à minha carreira”.

Subeditora de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.