Publicidade
Entretenimento
‘quebraria no meio’

Delegada vê evidências de crime em denúncia de assédio sexual contra Mc Biel, diz iG

Cantor chamou repórter de “gostosa” em entrevista e diz que “a quebraria no meio” durante sexo. A jornalista denunciou o Mc por assédio sexual e o empresário do artista classificou o episódio de mal-entendido 04/06/2016 às 16:51 - Atualizado em 04/06/2016 às 17:14
Show manu4435
(Foto: Reprodução/Internet)
acritica.com

Uma repórter do Portal iG, que pediu para não ser identificada, denunciou na 1ª Delegacia da Mulher de São Paulo o cantor Mc Biel, de 20 anos, por assédio sexual, informou o iG em reportagem publicada na tarde de ontem (3).

De acordo com o iG, Biel chamou a profissional de “gostosinha” e dizer que “a quebraria no meio” se mantivesse relações sexuais com a profissional

A delegada titular Giovanna Valenti, informou o iG, disse que há fortes evidências de que a jovem de 21 anos tenha sido vítima do crime.

Conforme a reportagem, a investida de Biel ocorreu em maio deste ano, durante entrevista para divulgação do novo CD do artista, na capital paulista.

O contato da repórter com o cantor se deu em dois momentos e foi testemunhado por outras pessoas que acompanhavam a conversa, relata a matéria. Segundo o iG, o diálogo também foi gravado em áudio e vídeo, material entregue à polícia como prova no processo de investigação.

A reportagem relata que a gravação em áudio registra Biel respondendo a diversas perguntas sobre o novo trabalho e sua vida pessoal. A matéria registra que, acompanhando a entrevista de outro repórter, a jornalista menciona ter quase a mesma idade do artista, que retruca: "Idade não significa nada. Se te pego, te quebro no meio". 

Quando questionado sobre as frases mais comuns relacionadas ao seu nome no Google (a sentença mais buscada era a pergunta “Biel é bi?”), o cantor retruca: "Por quê? Você quer que eu te mostre com atos e ações?", rebate o cantor na filmagem, deixando a repórter visivelmente constrangida. Após elaborar melhor a resposta, ele conclui: "E eu sou heterossexual. Eu gosto é de boceta".

Em outro momento do vídeo, relata o iG, o próprio artista entrega seu celular à repórter e solicita que ela atenda a uma ligação durante a entrevista. Após dizer a um amigo de Biel que "ele está concedendo uma entrevista e ligaria depois", a repórter devolve o aparelho ao artista e é chamada por ele de "cuzona", informa o iG.

Outro lado

Segundo o iG, Biel foi intimado a depor. Ele compareceu à delegacia há poucos dias e já foi ouvido. Segundo o site de notícias, o próximo passo da investigação é ouvir as testemunhas. Em seguida, o Ministério Público deve formalizar a denúncia à Justiça. De acordo com a delegada Giovanna Valenti, um caso como o sofrido pela repórter leva cerca de um ano para ser concluído.

O site ressalta que,ao tomar conhecimento da denúncia, o presidente da Warner Music Brasil, Sergio Affonso, entrou em contato com o iG espontaneamente. O representante do cantor classificou o acontecimento como "lamentável" e "fora do contexto atual de lutas pelos direitos das mulheres". Ele também se colocou à disposição da repórter para "qualquer coisa".

Segundo o jornal EXTRA, o empresário do funkeiro, Alexandre Baptestini, classificou o ocorrido como um “mal-entendido”.

"Não sei se é uma pessoa querendo tirar algum proveito, mas o Biel respeita todas as mulheres, nunca teve problema com nada. Foi tudo em clima de brincadeira. Acredito que, se fosse uma coisa do jeito que foi falada, a entrevista teria acabado na mesma hora. Com certeza foi um mal-entendido" disse Alexandre, à publicação carioca.

"Já estive presente em várias entrevistas, e ele respeita todo mundo. Nesse dia eu não estava, então não posso falar muito, mas ele deu mais de 20 entrevistas em sequência e nada aconteceu. A Justiça é que vai ver quem está certo ou errado", concluiu.

Repórter chorou

Ao iG, a jovem jornalista disse está acostumada a entrevistar famosos e que a primeira coisa que pensou foi que "aquilo não estava acontecendo".

"A entrevista terminou, peguei minhas coisas e fui embora. Entrei no táxi e tremia. Aí, comecei a chorar. Lembrei das pessoas da sala que estavam rindo, de tudo que ouvi uma vez, duas vezes, quatro vezes. Quando saí, percebi tudo que aconteceu, e tantas coisas que ouvi em dez minutos e é aí que você percebe o absurdo da situação", disse a jornalista.

Publicidade
Publicidade