Publicidade
Esportes
Pediu o boné

Após queda diante do Fast, Carlos Tozzi pede demissão do Penarol

Treinador disse "não ter mais cabeça" para permanecer no comando do time e pediu demissão logo após a perda do título do 1º turno para o Tricolor 01/03/2018 às 18:07 - Atualizado em 01/03/2018 às 19:35
Show aa3
Tozzi deixa o Penarol após bela campanha no 1º turno do Barezão (Foto: Evandro Seixas)
Denir Simplício Manaus (AM)

"Não tenho mais cabeça". A declaração é do técnico Carlos Tozzi, que na tarde desta quinta-feira (1º), anunciou que não é mais técnico do Penarol. Mesmo invicto na competição,  o comandante do Leão da Velha Serpa afirmou que preferiu deixar o clube e ainda hoje retorna ao Rio de Janeiro, onde reside.

O treinador, que  deixou o cargo sem perder uma partida sequer no Estadual, apontou a perda do título do primeiro turno do Barezão, na quarta-feira (28), diante do Fast Clube, como o principal motivo de sua decisão.

“Minha saída do Penarol se deu quando eu perdi o primeiro turno, dentro de casa, nos pênaltis. Na mesma noite, falei com o presidente (Ila Rabelo) e entreguei meu cargo. Até porque não tinha mais cabeça para dirigir o time no segundo turno”, disse Tozzi comentando que a diretoria do clube de Itacoatiara ainda tentou fazê-lo mudar de ideia. “Eles não queriam (saída), mas eu bati o pé e estou indo embora hoje pro Rio”, completou o agora ex-técnico do Penarol enfatizando que deixa o cargo sem derrotas.

“Estou saindo do Penarol invicto, sem perder um jogo, com o maior número de pontos no primeiro turno, só que isso não prevalece no campeonato amazonense, então, não tenho mais cabeça”, desabafou.

Questionado se a tensão da decisão  por pênaltis contra o Fast o abalou psicologicamente, Tozzi apontou o regulamento como do Barezão como falho. “Meu psicológico não ficou abalado. Só estou entregando o cargo. Até porque não consegui ser campeão do primeiro turno. Acho que o regulamento da competição está totalmente defasado. Mas não vou discutir, a Federação está certa, os clubes assinaram como seria o regulamento”, disse o técnico afirmando que não teve desavença alguma com ninguém no clube.

“Não tive desentendimento nenhum com jogadores nem com a diretoria, nem com a minha comissão. Nós éramos muito fechados”, pontuou Tozzi revelando que não  conseguiria repetir a campanha do primeiro turno. “Deixo o Penarol com a cabeça erguida.  Fiz de tudo pra gente ser campeão do primeiro turno, mas não deu. Acho que não conseguiria fazer a mesma coisa que fiz no primeiro turno. Por isso, achei melhor entregar o cargo”, concluiu.

Carlos Tozzi deixa o Leão da Velha Serpa após seis jogos oficiais. A campanha à frente do Penarol no Barezão foi de quatro vitórias e dois empates. 

Publicidade
Publicidade