Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
APÓS QUEIMADAS

Indígenas do AM se manifestam contra declaração de Bolsonaro

Presidente afirmou que queimadas na Amazônia foram orquestradas por 'grupos criminosos', e considera reservas indígenas como ‘atraso’ para o desenvolvimento. Mais de 30 entidades assinaram o manifesto



indios_4_7DF6811E-A46D-4E37-AB48-C72DE2006035.jpg Foto: Reprodução
28/08/2019 às 14:18

Mais de 30 organizações indígenas que atuam no Amazonas assinaram em conjunto uma nota de repúdio contra as recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro que coloca em dúvidas a atuação das entidades que representam os indígenas, assim como as Organizações Não Governamentais (Ong’s) que atuam na Amazônia.

Durante a reunião com os governadores da região Norte, ocorrida nessa terça-feira (27), para debater ação contra as queimadas,  Jair Bolsonaro afirmou que desconfia que elas tenham sido orquestradas por um ‘grupo crimonoso’, e que a Polícia Federal iria investigar a atuação das entidades.

Leia a íntegra da nota:

Nós, organizações indígenas e organizações da sociedade civil do estado do Amazonas, vimos manifestar nosso veemente REPÚDIO à mais uma declaração MENTIROSA e ESTÚPIDA do presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, por ocasião da reunião com os governadores da Amazônia, acusando os povos indígenas como responsáveis pelos incêndios na Amazônia. Na verdade, ele é o único responsável por essas trajédias ambientais, pelo seu racismo ambiental e por sua política desonesta de incitação criminosa às invasões ilegais de terras indígenas por parte de madeireiros, garimpeiros, grileiros e esvaziando os órgãos ambientais e de direitos humanos. Os brasileiros honestos e o mundo precisam saber disso e nós vamos permanentemente denunciar essas práticas criminosas contra a humanidade e contra o nosso planeta. Tal acusação é uma verdadeira ofensa à nossa história sagrada e milenar de guardiões da NOSSA MÃE-NATUREZA. Tal acusação só poderia vir de uma pessoa que não tem coragem para assumir suas (ir)responsabilidades pelos erros, incompetências e crimes que vem cometendo dia a dia contra os povos indígenas, contra o povo brasileiro e contra a Amazônia, o Brasil e o Mundo.

Somos 64 povos indígenas do maior estado indígena do Brasil e o mais preservado, graças às nossas terras indígenas. Basta olhar o mapa ambiental do Estado para perceber que as áreas mais preservadas correspondem às terras indígenas. Ninguém, melhor do que nós, sabe cuidar da nossa floresta amazônica, nossa origem sagrada, nosso sustento, nossa riqueza, nossa alegria, nosso Bem Viver e nossa CASA desde sempre. A demarcação de nossas terras é um direito humano e mandato constitucional que o presidente jurou ou fingiu jurar cumprir.



REAFIRMAMOS nosso compromisso vital com a defesa e proteção de nossas culturas, nossas línguas, nosso meio ambiente, nossos territórios, nossas florestas, e nossos rios e de cada ser que existe em nosso meio, com quem interagimos para existir e viver com dignidade e plenamente. Nunca nos curvaremos e nem nos silenciaremos diante da política de mentiras, ódio, morte e destruição do Presidente e de seu governo. Resistiremos e defenderemos nossos territórios e nossas vidas, como sempre fizemos, com a força de Deus e dos nossos ancestrais e oxalá, com o apoio e a solidariedade de pessoas verdadeiramente de bem e de paz. REAFIRMAMOS ainda a nossa determinação de manter a luta pelos direitos coletivos e pelas garantias territoriais e culturais dos povos indígenas, assim como pela defesa da nossa autodeterminação, como princípio existencial e civilizatório e o poder de decisão sobre os nossos territórios. 

Assinam este manifesto:

Associação das Mulheres Indígenas Sateré Mawé/AMISM – Regina Sateré-Mawé Associação das Mulheres Indígenas do Alto Rio Negro/AMARN – Clarisse Tucano Associação dos Povos Indígenas Ticuna, Apurinã e Mura de Beruri/APITAMB – Isaires Mura Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas/ADUA – Marcelo Valina Associação Marubo de São Sebastião – Clóvis Marubo Associação de Profissionais de Educação Escolar Indígena de Borba – APEEINB Associação das Comunidades Indígenas Caixanas do Alto Solimões – AICA – Penaforth Caixana Associação dos Witoto do Alto Solimões – AWA – Wanda Witoto Conselho Indígena Mura – CIMI – Cláudio Filho Mura. Conselho Indigenista Missionário/CIMI Norte I Conselho Estadual de Educação Escolar Indígena do Amazonas – CEEI-AM – Emilson Frota. Coordenação de Educação Escolar Indígena de Japurá – Mada Silva Federação Indígena Kukami-Kukamiria – TWRK – Milena Marulanda Kokama Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro/FOIRN – Marivelton Baré Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Purus/FOCIMP – Valdimiro Apurinã/Marcus Apurinã. Frente Amazônica de Mobilização em Defesa dos Direitos Indígenas /FAMDDI Fórum de Educação Escolar e Saúde Indígena do Amazonas / FOREEIA – Cristina Luciano Baré Movimento dos Estudantes Indígenas do Amazonas/MEIAM - Erimar Sateré-Mawé. Organização de Lideranças Indígenas Mura de Careiro da Várzea – OLIMCV – Jeremias Mura Organização dos Povos Indígenas Parintintin do Amazonas – OPIPAM – Raimundo Parintintim

Organização dos Povos Indígenas do Alto Madeira – OPIAM – Antônio Tenharim Organização Indígena Baniwa da Bacia do Içana/OIBI – André Baniwa Organização de Lideranças Indígenas dos Rios Marau, Miriti, Majuru e Urupadi/TUMUPI – Joedh Sateré-Mawé. Orgqanização dos Professores Indígenas Mura – OPIM – Máriomar Mura Organização de Estudantes Indígenas Mura de Autazes – OEIMA - Adílio Vieira de Souza Organização de Professores Indígenas de Manaquiri – OPEEIAM Organização dos Professores Indígenas de Novo Airão – OPINA – Ivete Tucano Serviço de Cooperação Yanomami/SECOYA Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental/SARES União dos Povos Indígenas do Médio Solimões e Afluentes/UNIPI-M.S.A – André Cruz Kambeba. Vereador de Alvarães – Maurício Kambeba

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.