Publicidade
Manaus Hoje
CRIMINALIDADE

Funcionária de pizzaria é morta a facadas por ‘colega’ de trabalho na Compensa

A PM suspeita que Elinaldo Alves dos Santos, 26, tenha usado cocaína antes de cometer o crime porque foi encontrada a droga na pizzaria 19/09/2018 às 18:53 - Atualizado em 20/09/2018 às 09:52
Show joventina f12e9271 d4e6 4f65 ab57 c97450fa231c
Foto: Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

Rafaela Oliveira, 19, foi assassinada na tarde desta quarta-feira (19) com uma facada no pescoço e outra no abdômen dentro da pizzaria que trabalhava, na rua Oscar Borel, bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus. O acusado de cometer o crime é Elinaldo Alves dos Santos, 26, que também trabalha no estabelecimento e conseguiu fugir após o crime. As informações são do tenente Jhonison Alves, da 8ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).

De acordo com o policial militar, possivelmente o acusado usou cocaína antes de cometer o homicídio e tentou também estuprar a vítima. Segundo o PM, é possível que Rafaela tenha reagido e por isso foi morta pelo colega de trabalho. “Há vestígios de cocaína, a questão da tentativa de estupro somente será esclarecida com as investigações da Polícia Civil”, explicou o supervisor de área. Ele informou que a vítima ainda chegou a ser levada para o Pronto-Socorro Joventina Dias, na Compensa, mas não resistiu.

“Outro funcionário chegou ao local e se deparou com os dois, a vítima caída e ensaguentada e o acusado, então o autor do crime acabou jogando a faca e a chave da pizzaria e depois fugiu em uma moto azul”, relatou o tenente. O acusado é irmão da proprietária do estabelecimento e até o fechamento desta edição não foi localizado. De acordo com o policial, a dona da pizzaria confirmou que Elinaldo já possui passagem pela polícia e também é usuário de drogas.

“Ela (irmã) confirmou que ele já foi preso por assalto e estava trabalhando há dois dias na pizzaria. Ele havia saído por um tempo e depois retornado para o trabalho”, explicou, revelando que a filmagem do estabelecimento não foi repassada pela proprietária. O caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Publicidade
Publicidade