Publicidade
Manaus Hoje
ESTUPRO

Preso padrasto que estuprava enteada de 18 anos desde que ela tinha 5, em Manaus

Foram 12 anos de abusos, o que causou problemas psicológicos à vítima. O homem ainda era suspeito de estuprar uma filha, que morreu em circunstâncias suspeitas 18/12/2018 às 13:36 - Atualizado em 18/12/2018 às 13:53
Show 28 c76540cf cf3e 4ac4 beb9 f3156ab89f34
Foto: Winnetou Almeida
Márcia Monteiro Manaus (AM)

Um eletricista de 47 anos foi preso em Manaus pela Polícia Civil do Amazonas suspeito de estuprar a enteada dele, atualmente com 18 anos, desde que a vítima tinha 5. Os abusos sexuais ocorreram até os 17 anos da vítima, completando 12 anos crime, o que causou problemas psicológicos à vítima. Hoje ela precisa passar por tratamentos.

A titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), delegada Joyce Coelho, informou que a vítima foi até a sede da unidade policial no dia 26 de outubro deste ano relatando que sofria os abusos sexuais desde que era criança. A vítima disse ainda que o padastro dava dinheiro a ela para que não contasse para ninguém sobre o crime sexual.

Aos 8 anos de idade, segundo a delegada, a vítima chegou a contar à mãe o que acontecia e foi encaminhada a um abrigo, onde viveu por dois anos,. Entretanto, ela acabou retornando para e voltando a ser estuprada constantemente pelo suspeito.

O eletricista possui ainda dois boletins de ocorrência pelo possível estupro de uma filha dele, que segundo a delegada morreu em circunstâncias suspeitas. Na época da morte da menina, quando ela tinha 10 anos, em 2014, um laudo de conjunção carnal deu positivo para estupro, porém a causa da morte, de acordo com laudo médico, teria sido pneumonia.

“É um pedófilo, é um estuprador dissimulado, ainda levava a enteada pra igreja e apresentava como sua filha e deixava transparecer pras pessoas que era uma família normal”, finalizou a delegada.

O homem assumiu a autoria do crime, mas disse que não se lembra quando começou. Ele será encaminhado ainda hoje para o Centro de Detenção Provisório Masculino (CDPM), onde ficará a disposição da Justiça.

Publicidade
Publicidade