Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
CELERIDADE

Banco de impressões digitais passa a integrar sistema de Laudo Digital

Diretora do IML sustenta que além da redução de tempo e logística, a identificação papiloscópica (identificação humana através de impressões digitais) do cadáver acontecerá de forma mais rápida



sandro_freela_09F299B4-381E-469F-963C-4BA85AB93B9E.jpg (Foto: Sandro Pereira / Freelancer)
24/05/2019 às 07:02

Com o objetivo de reduzir a tramitação física de papel e logística, e consequentemente agilizar o processo de identificação e liberação de cadáveres no Instituto Médico Legal (IML), as informações do banco de impressões digitais do Instituto de Identificação (II) começaram a ser integradas ao sistema de Laudo Digital do IML.

Ambos os institutos fazem parte do Departamento de Polícia Técnico Científico (DPTC) da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). De acordo com a diretora do Instituto Médico Legal, Sanmya Tiradentes, o processo físico do Instituto de Identificação continua o mesmo, o que acontece é que as informações do banco de impressões digitais serão digitalizadas e estarão disponíveis no sistema do IML.



Segundo ela, não será necessário o transporte de documentos que anteriormente era feito entre o IML, localizado no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus e o Instituto de Identificação situado na avenida Pedro Teixeira, bairro Dom Pedro, Zona Oeste.

“A coleta do cadáver é realizada no Instituto Médico Legal de forma impressa no papel. Esse papel é digitalizado, colocado dentro do sistema, o Instituto de Identificação recebe essa solicitação via sistema. Por sua vez, o Instituto de Identificação com o seu prontuário civil que continua em papel, digitaliza também, faz o laudo, assina eletronicamente e na mesma hora, temos acesso a esse documento”, explicou.

“Ou seja, nós não precisamos mais imprimir ofício, sair da Cidade Nova para o Dom Pedro para entregar e buscar documento. Lá dentro tem toda uma burocratização de setores, o papel tramitava até chegar ao perito. Então, não existe mais essa tramitação interna dentro do Instituto de Identificação e nem essa entrega física, é tudo via sistema”, acrescentou.

Redução de tempo
Sanmya Tiradentes explicou que além da redução de tempo e logística, a identificação papiloscópica (identificação humana através de impressões digitais) do cadáver acontecerá de forma mais rápida. Ela destacou que a medida ainda não reduzirá o número de corpos não identificados no Instituto Médico Legal (IML).

“A liberação do corpo é mais célere, o que não dá ainda é para reduzir o número de não identificados porque nós precisamos ter um nome suposto para procurar o prontuário civil para poder comparar”. Ao todo, o Amazonas possui três milhões de prontuários civis por isso a dificuldade em identificar aqueles corpos sem identificação. “Não tem como fazer a comparação de um cadáver com os três milhões, nós precisamos ter o nome dos supostos para podermos comparar”, disse ainda.

Todas as gavetas ocupadas

Conforme a diretora do IML, Sanmya Tiradentes, as 22  gavetas do IML estão ocupadas. Seis esperam a identificação pelo processo de DNA e o restante, aguarda prazo para serem sepultados como não identificados. De acordo com Sanmya, há um projeto que deverá ser implantado pelo instituto brevemente.“Futuramente, nós conseguiremos reduzir a quantidade de não-identificados através de um outro projeto também dentro desse sistema que é o banco de desaparecidos e de não-identificados, as características físicas que tem os não-identificados e nos desaparecidos, o próprio sistema vai fazer essa comparação e vai dar as possibilidades”, disse ainda.

Sindicato contesta funcionalidade

O vice-presidente do Sindicato dos Peritos Oficiais do Amazonas (Sinpoeam), Ilton Soares, afirmou que, de fato, não existe banco de impressões em formato digital e informatizados no  Estado e esse é um dos fatores que causam problemas na hora de identificar um morto.

“Ainda estamos na era do papel, ou seja, o banco de digitais não está digitalizado. Nós temos uma situação surreal de falta de organização de digital, há três formulários para uma mesma pessoa”, destacou. 

Outra problemática, segundo Ilton Santos, é que o sistema digitalizado do IML não possui nenhuma certificação. “O que acontece é que esse sistema é irregular, não tem uma chave de identificação ou seja, esse laudo precisa ser confiável e o sistema tem que ter certificação digital. É basicamente um e-mail que você manda e recebe de volta”, ressaltou.

 

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.