Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
HOMENAGEM MERECIDA

Calderaro vive! Vitória Régia faz homenagem ao jornalista Umberto e A Crítica

Toda a família Calderaro participa do desfile em homenagem ao patriarca que faleceu em 16 de junho de 1995



calderaro_6F7710C0-57E6-4366-A144-87E32A79B6C9.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
02/03/2019 às 23:43

A Escola Vitória Régia, do bairro Praça 14 de Janeiro, entrou na avenida do samba, às 23h e 14 minutos, com o enredo em homenagem à história do jornalista Umberto Calderaro e aos 70 anos do jornal A Crítica com o tema “Tinta nas veias, a verdade nas mãos: na Crítica de Calderaro ‘70 anos’ a voz de uma nação”. Toda a família Calderaro participa do desfile em homenagem ao patriarca que faleceu em 16 de junho de 1995.

Onze vezes campeã do Carnaval de Manaus, esta é a 2º vez que a verde e rosa homenageia A Crítica e o criador da Rede Calderaro de Comunicação (RCC). Em 27 de fevereiro de 1995, num desfile histórico, a agremiação trouxe para a avenida o tema: “Hoje Quem Bota a Banca Sou Eu”. Foi como o prenúncio de sua despedida, que ocorreu em junho daquele mesmo ano.

Entre as surpresas da escola neste desfile, está a comissão de frente composta por um ator caracterizado como Umberto Calderaro.

“A expectativa é muito grande. É todo um trabalho desenvolvido ao longo de três anos, então a gente vem com todo o amor, carinho e faremos essa homenagem ao Umberto Calderaro que foi uma pessoa que sempre incentivou todas as manifestações culturais e sempre ajudou muito. Ele é um merecedor e guerreiro”, disse o presidente da escola, Didi Redman.


Família Calderaro também participa do desfile da Vitória Régia. Foto: Euzivaldo Queiroz

Paulo Onça compôs o samba-enredo da Vitória Régia com mais outros três compositores, Zé Catimba, André da Mata e Flávio Pascarelli. A letra aborda a trajetória jornalística de Umberto Calderaro, a importância do jornal para a cidade e narra o episódio do atentado a bomba ocorrido na redação de A Crítica, em 20 de janeiro de 1959. Na época o jornal funcionava no Centro de Manaus.

Neste ano, a Vitória Régia trouxe para a avenida 3.500 foliões, divididos em 25 alas, com 4 alegorias e 170 destaques de alegoria, uma comissão de frente inovadora, 300 ritmistas de bateria e 100 baianas evoluindo ao som do samba do Carnaval interpretado por Auzier do Samba, que retorna ao posto de intérprete assim como em 1995, quando também conduziu o samba já no Sambódromo .

Ficha técnica

Escola: Vitória Régia   

Enredo: “Tinta nas veias, a verdade nas mãos: na Crítica de Calderaro ’70 Anos’ a Voz de uma Nação”

Fundação: 1° de dezembro de 1975

Componente: 3.500

Entrada na avenida: 23h14

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.