Publicidade
Manaus
SAÚDE PÚBLICA

Casos confirmados de sarampo sobem para 444 em Manaus, informa Semsa

No período de uma semana, 127 novos registros da doença foram confirmados na capital amazonense; zonas mais atingidas são Norte e Leste 16/07/2018 às 16:21 - Atualizado em 16/07/2018 às 16:23
Show varredura
Ação da Semsa durante na Zona Leste de Manaus. Foto: Junio Matos
Izabel Guedes Manaus (AM)

O número de casos confirmados de sarampo em Manaus aumentou de 317 para 444, segundo consta no 19º Informativo Epidemiológico de Monitoramento dos Casos de Sarampo divulgado nesta segunda-feira (16) pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). No período de uma semana, 127 novos registros da doença foram confirmados.

Ainda segundo o informativo, Manaus tem um total de 2.660 notificações de sarampo. Além dos 444 casos confirmados, as notificações incluem 119 casos descartados após investigação e 2.097 aguardando resultados laboratoriais.

Entre os casos confirmados, a faixa etária mais atingida ainda é a de crianças de um a cinco anos (21,2%). Em relação ao total de 2.660 notificações, a faixa etária de 20 a 29 anos é a que apresenta maior número de caos (24,7%).

Por local de residência, o Informativo mostra que a Zona Norte tem 985 notificações, representando 37%; a Zona Leste registra 859 casos notificados; a Zona Sul apresenta 405; a Zona Oeste tem 386; e a Zona Rural registra 25 casos.

Varredura vacinal 

A nova etapa de ações para conter o avanço do sarampo na cidade teve como ponto de partida hoje a sede do Distrito de Saúde Leste (Disa Leste), na rua das Rosas, s/nº, Jorge Teixeira. O bairro, juntamente com a Cidade Nova e Novo Aleixo, na Zona Norte, foi definido como prioritário, com base nos critérios de notificações e/ou confirmações de casos da doença. Assim como comunidades do Ramal do Pau Rosa, na BR-174, Distrito Rural, onde também serão realizadas varreduras.

Segundo a Prefeitura de Manaus, durante seis semanas, aproximadamente, 900 profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), divididos em equipes, estarão nas ruas para operacionalizar um plano de ação que tem como meta interromper a circulação do vírus causador da doença na capital. A principal “arma” será a varredura vacinal. O trabalho será realizado das 15h às 20h, inclusive nos finais de semana.

Simultaneamente, ocorrerão ações de intensificação da vacina nas áreas urbana e rural.

Publicidade
Publicidade