Publicidade
Manaus
ZONA OESTE

Corpo de homem é encontrado esquartejado dentro de mala no bairro Compensa

Um recado escrito em uma folha de papel foi deixado junto com a mala na rua São Pedro 20/07/2018 às 21:02 - Atualizado em 20/07/2018 às 22:41
Show euzi 2
Foto: Euzivaldo Queiroz
Isabella Pina Manaus (AM)

O corpo de Janderson Rosário de Souza, 23, foi encontrado esquartejado dentro de uma mala jogada na noite desta sexta-feira (20) na rua São Pedro, no bairro Compensa, na Zona Oeste de Manaus. Dois recados em folhas de papel foram deixados junto com a mala. Em um deles está escrito, sem correções ou pontuação: “-1 formiguinha safado. Luciano Safado Talarico próximo e L7, Batoré”. 

O termo “formiguinha”, na gíria do crime, é uma modalidade de tráfico de drogas em que os criminosos comercializam os entorpecentes em pequenas quantidades, se mantendo longe do foco das autoridades;  “talarico” é o nome dado para quem sai com mulher compromissada.

Segundo um policial militar que não quis se identificar, o Luciano e L7 do bilhete são a mesma pessoa. Ele seria Luciano da Silva Barbosa, filho do traficante Zé Roberto da Compensa, um dos líderes da facção criminosa Família do Norte (FDN). Luciano está preso na Penitenciária de Mossoró, no Rio Grande do Norte.  O PM não soube informar quem seria Batoré.

A vítima

O reconhecimento de Janderson foi feito pelo irmão, Jardson Rosário, que informou para a reportagem que o jovem trabalhava em um estaleiro no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, e vendia drogas, mas que nunca havia sido preso.

Policiais militares da 8ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foram acionados por populares, por volta de 19h30, para atender a ocorrência. O tenente Saul Silva, da 8ª Cicom, informou que um carro modelo Vectra, com placas não identificadas, abandonou a mala na rua.

“As pessoas não passaram informações. O que sabemos de início é que um carro de modelo Vectra, preto, parou e deixou a mala. Os moradores então ligaram”, disse.

A Polícia Técnico Científica da Polícia Civil atuou na área e verificou que o corpo estava completo. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para fazer a remoção do cadáver. O crime deve ser investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Publicidade
Publicidade