Publicidade
Manaus
IDOLATRIA AO CRIME

Triste realidade: crianças idolatram bandidos e usam relógios como tornozeleiras

Alunos de escolas municipais de Manaus ostentam relógios nos tornozelos e se identificam como membros de facções criminosas, as quais ‘sonham’ em integrar quando maiores 08/07/2018 às 08:31 - Atualizado em 08/07/2018 às 14:50
Show tornozeleira 1
Criminosos são referência para muitas crianças, denunciam os professores (Foto: Winnetou Almeida)
Joana Queiroz Manaus (AM)

“Quando eu crescer eu quero ser como o Melk”. Essa é uma frase comum entre alunos das escolas municipais do Mauazinho, na Zona Leste de Manaus. Melk é o homem que comanda o tráfico de drogas no bairro. Essa idolatria dos estudantes a criminosos tem preocupado professores.

A faixa etária dos alunos dessas escolas vai de 6 aos 15 anos de idade. Além de se identificarem como integrantes de facções criminosas ligadas ao tráfico, há crianças que na escola utilizam relógios de pulso de borracha preta no tornozelo, simulando tornozeleiras eletrônicas, usadas por criminosos que são monitorados pela Justiça.

A denúncia feita pelos professores é uma espécie de pedido de socorro. Eles temem pelo futuro das crianças. Conforme os professores é muito comum ver as pessoas transitando pelo bairro usando tornozeleiras eletrônicas. As crianças acham isso legal e que a tornozeleira é mais um acessório que qualquer pessoa pode usar.

“Quando eles aparecem aqui com os relógios nos tornozelos, a gente manda eles tirarem, porém se negam dizendo que os pai dele usa e que não vê problema nisso”, contou uma  professora, que, temendo represálias, pediu para não ter a sua verdadeira identidade revelada.

Segundo os professores, dentro das unidades educacionais os alunos demonstram admiração a criminosos. Eles idolatram o tráfico e as facções. “O sonho deles é se integrarem ao tráfico. Sempre que podem se identificam como integrante de facções, assinalam nas paredes e nos banheiros da escola”, ressalta um professor.

Muitos já fazem uso da linguagem usada pelos criminosos. “A gente já bateu a real, tocou a direta e o cara nada”, exemplifica uma professora, explicando que eles estão querendo dizer que advertiram o colega, mostraram a realidade de uma situação e ele não deu atenção.

De acordo com os profissionais da educação, há um glamour em torno do bandido porque ele demonstra riqueza poder. Muitos deles, contam os professores, vão buscar seus filhos nas escolas em carros de luxo. Em uma das escolas, a filha de um dos traficantes da área, de apenas 13 anos de idade, vai para a escola pilotando a sua própria motocicleta.

“Essa ostentação do tráfico é tão grande aqui no bairro que as crianças presenciam isso diariamente e já planejam se tornarem futuros criminosos. Para mim isso é prova do quanto à realidade do tráfico está presente no imaginário desses alunos”, relatou uma das professoras.

Semed ressalta poder

A Secretaria Municipal de Educação (Semed), em  nota, informou que desenvolve, por meio da Gerência de Atividades Complementares e Programas Especiais (Gacpe), o Programa Municipal de Prevenção às Drogas, que atende todas as 498 unidades da rede.

Nesse processo, a Semed conta com o apoio dos parceiros, como a Polícia Militar, que desenvolve há 15 anos em unidades escolares da rede o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). Desde o início do programa, já foram atendidos mais de 500 mil estudantes com aulas e palestras. Neste ano, a abordagem sobre o tema recebeu explicações mais aprofundadas, como os danos à saúde física e social dos jovens.

A Polícia Federal também realiza palestras nas escolas ou na própria sede da instituição. A secretaria destaca que o trabalho desenvolvido de forma preventiva, por meio de palestras e oficinas, envolve o aluno e também a família.

Sem denúncias

O delegado Jander Mafra, titular do 29º Distrito Policial, que cobre a área, disse que o tráfico de droga não é problema só do Mauzinho, “é um problema do Brasil”, e que ele desconhecia a situação das escolas municipais do bairro. Não há denuncias, disse. “O que chega à polícia são denúncias de tráfico que são investigadas e o criminoso é preso”.

Pais desses alunos são ausentes

Os professores dizem que infelizmente não têm como esperar muito dessas crianças pelo fato do meio que elas vivem. “A nossa função é escolarizá-los, mas temos também que ensinar valores”, diz um dos professores. De acordo com eles, os pais destas crianças não demonstram muito interesse pelos filhos, não comparecem às reuniões. “Muitos porque estão presos, ou mortos e a mãe é alcoólatra, fica fora de casa por vários dias e são as crianças que têm que cuidar da casa ou dos irmãos”, explica.

O rendimento escolar é baixo. “Por traz de uma nota vermelha sempre tem uma história triste”, diz uma professora. Conforme os professores, existem casos em que o traficante manda mais que o pai. “Tem aluno que é aviãozinho, eles tem que vender droga para sustentar os pais”.

Antonieta Cavalcante

Psicóloga

"O humano é um ser servil, psicossocial, espiritual e ambiental, cujo ambiente, a sociedade e a família, além dele como pessoa, indivíduo, a psique: isso tudo é um conjunto que forma esse ser. No caso das crianças, elas ainda estão em formação e estão se inserindo e em volta delas o que há é essa vivência, na comunidade em que vivem é isso que elas têm como referência, o traficante como herói. Porque a gente que conhece essas situações dessas comunidades sabe que os traficantes, de alguma forma, beneficiam e protegem as famílias dalí. “Não pode roubar aqui, não pode fazer nada de errado”, eu ouvia muito isso.  E quem desobedecia era punido.  Essa situação de beneficiários das famílias da área é real. Eles recebem proteção e ajuda, coisas que eles não veem no poder público. A Constituição diz que todos têm direito a saúde a educação, moradia, mas infelizmente a realidade é outra e estas pessoas, por conta disso, veem o que é negativo como positivo. Vender droga e traficar não é nada diante do que eles recebem daqueles criminosos. Então, essas crianças crescem acreditando que os traficantes são bons, que a polícia é ruim. Isso está incutido na cabeça deles."

Publicidade
Publicidade