Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
INTIMIDAÇÃO

Policiais interrompem reunião que tratava de atos contra Bolsonaro

Três policiais rodoviários federais foram a reunião que acontecia na sede do Sinteam e planejava manifestações contra o presidente. 'Óbvia intimidação', diz secretário do sindicato



SINTEAM_BBD6BE43-E883-4C05-A549-F6247679EBB8.JPG
23/07/2019 às 19:04

Uma reunião com representantes de movimentos sociais do Amazonas, onde eram planejadas manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro, foi interrompida pela chegada de três policiais rodoviários federais no final da tarde desta terça-feira.  A reunião acontecia na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Amazonas (Sinteam).

Os policiais permaneceram no local por cerca de vinte minutos. Na hora da abordagem, estavam na sede do Sinteam sete pessoas, entre elas o coordenador do Movimento Brasil Popular, Yan Evannovick, a presidente do sindicato, Ana Cristina,  e o secretário de finanças do Sinteam, Cléber Ferreira. De acordo com Cléber, eram três policiais, armados, sendo dois com fuzis, que foram ao local para perguntar que entidades estavam ali reunidas e o que estava sendo planejado para a visita de Bolsonaro a Manaus - o presidente chega à capital amazonense nesta quinta-feira.

"Eles disseram que estavam ali a mando do Exército Brasileiro. Conversamos com eles muito tranquilamente e deixamos claro que protestar é permitido no Brasil livre. E eles informaram que estavam ali cumprindo o papel deles", relatou Cleber, afirmando que apesar da visita não ter tido violência, foi uma clara tentativa de intimidação. "No momento que vivemos, com o governo que está aí, a presença da polícia dentro de uma entidade sindical é uma óbvia intimidação", argumentou o sindicalista.

Com mais de 20 anos de trajetória em  movimentos sociais e sindicais, Cléber Ferreira afirmou que jamais havia passado por uma situação parecida.  "Nos estranha muito essa atitude, porque é a primeira vez desde a redemocratização que recebemos uma visita de forças federais para saber como seria uma manifestação. É algo muito atípico. Eles foram gentis, mas é claro que intimida".

Após a saída dos policiais do local, a reunião seguiu na sede do Sinteam. Segundo Cléber Ferreira, a intenção é aproveitar a passagem de Bolsonaro por Manaus, que ele visita pela primeira vez na condição de presidente da República, para fazer uma manifestação pacífica.

A reportagem procurou a assessoria da Polícia Rodoviária Federal no Amazonas por volta das 18h30 desta terça-feira. Via WhatsApp, a assessoria informou que não estava autorizada "a passar qualquer informação via telefone para desconhecidos" e que dúvidas poderiam ser tiradas na sede do órgão, na assessoria de comunicação, em horário comercial.

Em nota, o Comando Militar da Amazônia (CMA) refutou a informação repassada pelos policiais aos sindicalistas e disse desconhecer a realização da reunião, "bem como não reconhece qualquer ordem oriunda de suas Unidades para tal".

"Cabe destacar que o Exército Brasileiro atua com base nos princípios da legalidade, estabilidade e legitimidade", concluiu a nota. 

*A matéria foi atualizada às 22h30 para inclusão de nota oficial do Comando Militar da Amazônia.

Receba Novidades

* campo obrigatório
News whatsapp image 2019 06 22 at 17.28.20 a187bead 9f3c 42a6 86d0 61eb3f792e97
Jornalista de A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.