Publicidade
Manaus
POLÍCIA

Fugitivos do CDPM 2 fazem parte de grupo que trocou FDN por Comando Vermelho

Na avaliação da Polícia Federal, os detentos ganharam as ruas com o objetivo de dominar o crime em todas as áreas de Manaus 15/05/2018 às 05:11 - Atualizado em 15/05/2018 às 08:49
Show carna
Foto: Divulgação
Joana Queiroz Manaus (AM)

Os 35 presos que fugiram no último sábado (12) do Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM 2), em Manaus, são considerados pela Polícia Federal (PF) “a elite” de um grupo de criminosos dissidentes da facção Família do Norte (FDN), comandados pelo traficante Gelson Carnaúba. Na avaliação da PF, os detentos ganharam as ruas com o objetivo de dominar o crime em todas as áreas da cidade.

“Se as autoridades policiais não agirem rápido na captura, nós certamente veremos uma guerra muito sangrenta, na qual não morrerão apenas criminosos, mas o cidadão de bem que estiver no meio do confronto pode ser vítima”, afirmou o titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF no Amazonas (DRE), Caio Avanço.

Outra coisa que preocupa a PF, de acordo com delegado, é saber que houve facilitação, o que mostra que “o grupo dissidente da FDN se infiltrou no Estado”. Conforme Caio Avanço, os criminosos que fugiram são velhos conhecidos das polícias e de alta periculosidade. A maioria dos fugitivos é formada por homicidas, latrocídas, assaltantes ou presos por associação para o crime, formação de quadrilha e tráfico de drogas, que é o crime menos grave pelo qual eles são acusados.

Todos são dissidentes da facção (FDN) e, agora, segundo o delegado, estão associados à facção carioca Comando Vermelho (CV), que atua com foco na violência e está buscando marcar território dentro do Amazonas, sobretudo das rotas do tráfico.

O delegado explicou que o grupo dissidente tem no comando, além de Gelson Carnaúba, os criminosos Geomilson Lira Arantes, o “Roque”, e Alan Castimario, o “Nanico”.  Com essa fuga, o grupo dissidente quer conquistar as ruas de Manaus. A facção quer ter líderes nas ruas, uma vez que, quando Gelson, Alan e Roque foram mandados para presídios federais, o grupo perdeu muita força e já não tinha tanto poder fora das cadeias.

Os fugitivos Alexsandro Oliveira dos Santos, o “Sandrinho”; Alexandre Alves da Silva o “Cagão”. Jhonson Barbosa, o “Playboy”; e Kaio Wellington Cardoso dos Santos, o “Mano Kaio”; respondem por homicídio. Kaio executou vários rivais na área do Igarapé do 40 e também em outras áreas da cidade. Conforme o delegado, Cleibe Júnior é homem de confiança de Alan Cartimário, o “Nanico”, e, inclusive, foi preso junto com ele.

O que chamou a atenção da PF é o fato de Francinaldo dos Santos Silva, o “Cinta Larga", outro braço direito de “Nanico”, não ter fugido com o grupo. “Hoje o grupo dissidente está com mais lideranças com respaldo dos outros criminosos nas ruas, do que a FDN. Com essa fuga, os fugitivos certamente assumirão liderança na área onde atuam. Kaio na área do 40, Cleibe no Santo Agostinho, Jhonson na Compensa. Todos têm uma região da cidade”, disse.

Para a Polícia Federal, a fuga dos presos foi muito bem planejada em todas as etapas, levou tempo e muito dinheiro para garantir que ninguém fosse recapturado na saída. Para o mundo do crime, ser capturado é sinal de fraqueza.

Essa não foi a primeira tentativa de fuga do grupo no CDPM 2. Em 18 de setembro do ano passado, em uma ação ousada, membros da facção Comando Vermelho (CV) tentaram resgatar cinco presos, dos quais quatro conseguiram fugir no último sábado. Entre os presos que seriam resgatados em setembro estavam Adalberto Salomão Guedes, o “Salomão”, Anderson Gustavo Ferreira, o “Godofredo”, Enderson Fonseca Brito e Rodrigo Azevedo Gaia.

Na ocasião pelo menos quatro homens entraram pela mata que ficam ao redor do complexo penitenciário e colocaram o explosivo na base da muralha com um rastilho longo. O explosivo foi acionado de dentro da mata, mas não conseguiu derrubar a muralha como era previsto pelos criminosos.

Foi encontrado um acampamento no meio da mata, a 100 metros do presídio, onde os homens devem ter ficado pelo menos dois dias observando o local. No acampamento foram encontrados restos de alimentos e uma lanterna.

Polícia em caça

O governador Amazonino Mendes disse, nessa segunda-feira (14), não ter dúvidas de que houve a conivência de administradores do sistema prisional do Amazonas na fuga do CDPM 2 , que fica no quilômetro 8 da BR-174, em Manaus. Ele disse que já mandou abrir inquérito para investigar o ocorrido e anunciou que vai ser obrigado a demitir “muita gente”.

Amazonino disse que o sistema prisional do Amazonas é “muito frágil e cheio de defeitos”. Ele citou como exemplo a chacina que ocorreu no inicio do ano passado, quando mais de 60 pessoas foram mortas de forma cruel.

Para o governador, a fuga dos 35 presos do CDPM 2, que é administrado somente pelo Estado e não por empresas como outras unidade, é um “fato natural” em razão do péssimo cenário no sistema. “A coisa está acontecendo, ninguém se preparou e agora está acontecendo de maneira horrível”, destacou.

Amazonino Mendes anunciou que haverá mudanças nas unidades prisionais. “Muita gente. Vamos ter que tirar quem não merece confiança. Agora, como vou substituir esse pessoal? Como vou fazer? Concurso demora tempo e pessoa tem que ser treinadas. É um serviço especializado”, disse. “A herança que pegamos é uma herança muito ruim, mas estamos enfrentando. Isso a gente resolve”, completou.

Um novo julgamento

Gelson Carnaúba, o “Mano G”, vai sentar no banco dos réus na próxima sexta-feira para ser julgado novamente pela chacina do Compaj ocorrida em maio de 2002, quando treze internos e um agente penitenciário foram mortos. Ele, que cumpre pena em Catanduvas (PR), vai ser ouvido por videoconferência em Manaus.

A caçada

O secretário de Segurança Pública (SSP-AM), Anésio Paiva, disse que toda a segurança, por meio das polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal, está empenhada na captura dos presos fugitivos, inclusive com informações de outros estados.

A polícia está trabalhando com inteligência, disse ele, montando barreiras móveis e fixas em toda cidade. O secretário disse que ainda não é possível informar o dia e o horário que ocorreu a fuga. Todas as informações que chegam estão sendo avaliadas pela inteligência.

Publicidade
Publicidade