Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020
CUIDADO

Crimes cometidos na internet levam 4 por dia à delegacia no AM

Mais de 1,6 mil pessoas foram vítimas de crimes cibernéticos em 2019. Novo crime cibernético: perfil de usuário é clonado e induz vítimas a realizar transferências bancárias



golpe_E635DBFF-BBC0-48B1-B600-8928A7297B18.JPG Foto: Eraldo Lopes/Freelancer
28/01/2020 às 07:27

Mais de 1,6 mil pessoas foram vítimas de crimes cibernéticos, em 2019, no Amazonas. Os cibercrimes mais comuns registrados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-AM), no ano passado, são atentados contra a honra ou a reputação de alguém, o que caracteriza difamação, falsa identidade, ameaça, estelionato, injúria, invasão de dispositivo informático, dentre outros.

O Amazonas registrou um crescimento de 23% no número de ocorrências de crimes em que a internet é o principal meio. Entre janeiro e dezembro de 2019, foram 1.627 casos contabilizados, enquanto no ano anterior, foram registradas 1.232 ocorrências.



Pela popularidade, o WhatsApp é uma das redes sociais que mais atraem os hackers e estelionatários. Um exemplo de quem foi vítima de invasão de dispositivo informático e falsa identidade foi a jornalista e tatuadora estética Ananda Chamma, de 35 anos.

Ela, em depoimento ao jornal A CRÍTICA, contou que não teve seu número clonado, mas sim que um indivíduo comprou um número de telefone, registrou uma conta no aplicativo de mensagens com a sua foto, realizou um levantamento dos seus contatos pela rede social Instagram e iniciou as extorsões via WhatsApp. “Eles compraram uma linha aqui de Manaus, pegaram uma foto minha e não sei como conseguiram o telefone dos meus amigos para enviar mensagem”, comentou Ananda.

“Eles diziam assim na mensagem: ‘Oi, amiga. Tudo bem? Eu fiz uma transferência para uma pessoa no valor de R$ 5.900 só que consegui transferir apenas R$ 3 mil. Você pode transferir os outros R$ 2.900?”, detalhou a jornalista, demonstrando como foram escritas as mensagens aos seus contatos. “Há muito tempo tenho essa linha tanto é, que muitas pessoas estranharam o número e porque eu não sou de ficar pedindo dinheiro dessa forma”, completou.

Ananda Chamma soube da situação por meio de uma amiga que tinha recebido o pedido de transferência. Porém, desde a quinta-feira, a imagem dela estava sendo usada para a extorsão. “No sábado, fui direto à delegacia registrar um Boletim de Ocorrência (B.O). Lá me perguntaram se haviam vítimas além de mim, e até então não sabia que uma outra amiga havia depositado a quantia”, revelou. 

Após a ida à delegacia, a jornalista publicou um vídeo em suas redes sociais com o intuito de alertar as pessoas para que não caíssem no mesmo golpe. Foi depois do vídeo que ela soube de que um outro contato dela havia recebido a mensagem e realizado a transferência para a conta bancária fornecida pelo falso contato.

“Uma grande amiga minha chegou a fazer essa transferência. Ela não se certificou de que não era eu. Inclusive, (ela) chegou a questionar o porquê do pedido da alta quantia, porém eles afirmaram que era para o pagamento dos fornecedores. No caso, eles se referiam aos fornecedores dos equipamentos que eu uso e ela não hesitou em ‘emprestar’ esse dinheiro”, disse Ananda, ao acrescentar que outro Boletim de Ocorrência foi feito na segunda-feira passada com a presença da amiga vítima de estelionato.

Cuidado com Wi-Fi aberto ou público

Procedimentos como a ativação de segurança em duas etapas no WhatsApp é  uma das formas de se precaver quanto aos golpes. O delegado da Delegacia Interativa (DI), Gesson Aguiar, também citou o perigo do acesso de aplicativos de banco quando o Wi-Fi é aberto ou público em locais como aeroportos ou em lojas.

“Assim que você começa a transacionar naquele ambiente, a conta já está sendo monitorada. Você pode até utilizar o Wi-Fi público, desde que não utilize para fins importantes. A gente orienta também a população para que não clique em links que estão em grupos, não abram e-mails desconhecidos por que vai infectar o aparelho. A tendência desses crimes é piorar”.

DI explica ‘modus operandi

Segundo o titular da Delegacia Interativa (DI), delegado Gesson Aguiar, uma das demandas que mais chegam à especializada é em relação ao crime de invasão do dispositivo informático, o tipo penal específico para a invasão da contas de WhatsApp. Ele destacou as ações mais comuns realizadas pelos criminosos pelo aplicativo de troca de mensagens instantâneas.

“Nós tivemos uma primeira leva em que o criminoso conseguia mudar tua linha para o chip dele, ou seja, ele conseguia fazer uma portabilidade e a vítima perdia a linha dentro da operadora. Depois que estava em posse do número, reinstalava o WhatsApp e na hora, fazia o backup de vídeos, áudios e conversas da vítima. Com a pressão das autoridades sob as operadoras, eles (as empresas de telefonia) endureceram e dificultaram a forma de você recuperar o chip”, explicou.


Titular da DI afirmou não ter risco de suspeitos clonarem linha telefônica. Foto: Alailson Santos/Assessoria da PC-AM

O delegado, especialista na repreensão de crimes cibernéticos no Amazonas, ressaltou que não há a possibilidade de clonagem da linha telefônica. Um meio, conforme Aguiar, muito utilizado pelos hackers, atualmente, é a utilização da chamada Engenharia Social.

“É através de um convencimento, uma persuasão, que ele faz com que a vítima entregue a ele o código de instalação do WhatsApp. Por exemplo, você coloca um produto seu a venda em algum e-commerce, como o Mercado Livre ou OLX, e adiciona o seu número para contato. Quando você coloca isso, você vira uma vítima em potencial desse criminoso”, explicou.

O delegado da DI também exemplificou o “modus operandi” dos cibercriminosos. “Ele vê a publicação, liga para vítima e diz que é da OLX, afirma que enviará um código e pede para a vítima informar este número a ele. E aí, ele prossegue a instalação do lado de lá dessa forma, após a pessoa informar esse código. De posse de todos os dados, ele tem acesso a toda a tua agenda de contatos e se passa pela pessoa, manda mensagem aos contatos afirmando que está em uma situação difícil e começa os pedidos de dinheiro. Esse é o ‘boom’ dentro da parte de crimes de estelionato”, ressaltou Gesson Aguiar.

 

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.