Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
greve_dois_agora_azul_4C2B90CC-B25F-4513-AAA5-80C109A6A8F7.JPG
publicidade
publicidade

REIVINDICAÇÕES

Sinteam e Asprom divulgam programações para greve dos professores de amanhã (15)

A categoria reivindica aumento de 15% de reajuste salarial na campanha da data-base 2019, entre outras pautas


14/04/2019 às 15:19

Professores da rede estadual realizarão, na manhã desta segunda-feira (15), programações que marcarão o início da greve aprovada em assembleias realizadas na última semana. A categoria reivindica aumento de 15% de reajuste salarial na campanha da data-base 2019, entre outras pautas. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc), propôs aumento de 3,93%.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) realiza amanhã uma caminhada que terá concentração na Praça Heliodoro Balbi, mais conhecida como Praça da Polícia, e finalizará na Praça da Matriz, no Centro de Manaus. Já o Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom) também vai promover uma Assembleia Geral de greve às 9h. 

Após a caminhada promovida pelo Sinteam, os trabalhadores se reunirão nos comandos de greve situados nas diversas zonas da cidade, onde serão realizadas as chamadas aulas da cidadania. A atividade será permanente e visa esclarecer aos pais e alunos sobre os motivos da mobilização.

Segundo Ana Cristina Rodrigues, presidente do Sinteam, a iniciativa conta com o apoio de grêmios estudantis como a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES), que também participarão dos encaminhamentos. Os Comandos de Greve funcionarão na Praça do Congresso (Zona Centro-Sul), quadra da Grande Família (Zona Leste), Igreja de São Bento (Norte), proximidades da Escola Rui Araújo (Sul), chapéu de palha do Hiléia (Centro-Oeste). O CG da Zona Oeste não foi divulgado.

Além dos professores, a mobilização tem o apoio de profissionais que atuam nas escolas ou estão vinculados ao ensino público do Estado, como auxiliares de serviços gerais, merendeiras, vigias na capital e no interior, e aposentados.

De acordo com a assessoria da Sinteam, trabalhadores de 23 municípios paralisarão as atividades a partir desta segunda-feira. “A intenção é chamar a atenção da sociedade. Nossa categoria ficou 4 anos sem reajuste salarial, está há dois sem progressões horizontais (por tempo de serviço) e o auxílio localidade está congelado em R$ 30 há 30 anos. 3,93% é vergonhoso. Perdemos quase 10% do poder de compra ao longo desses quatro anos e vamos até o fim para retomar a autoestima da nossa categoria. Não são só professores. Não só profissionais com título”, ressalta Ana Cristina. “Esperamos a reabertura da mesa de negociações com a Seduc e que a greve não dure muito tempo”, acrescenta.

publicidade

Segundo a presidente, em média 30 mil trabalhadores, entre efetivos e contratados, atuam nas escolas da capital e do interior, sendo aproximadamente 24 mil em salas de aula. Ana prevê uma adesão total desse contingente ao movimento. “Estamos recebendo vídeos e mensagens de WhatsApp enviadas por pessoas que estão aderindo à greve”.

Já o diretor financeiro do Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom), Lambert Melo, afirma que a entidade irá realizar uma Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada às 9h desta segunda-feira, que marcará o início das atividades. A deliberação ocorre na sede do Governo do Estado, na Avenida Brasil, na Zona Oeste da cidade. “Esperamos uma adesão de 70% da categoria. Após a instalação, vamos elaborar um calendário de atividades para manter os professores ativos na luta”, informa Melo.

Empecilho

Em coletiva de imprensa realizada na última terça-feira, o secretário de Educação do Estado, Luiz Castro, explicou que a cifra de 3,93% baseia-se em critério estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que impede o ajuste de valor acima da inflação referente ao período 2018/2019. “Há um empecilho legal que está além da competência do governo de atender integralmente a reivindicação de um aumento imediato de 15% do salário. Os professores merecem ganhar muito mais, contudo, por uma questão jurídica, não podemos ir além da proposta apresentada”, explicou Castro.

Em nota, o Governo do Estado afirmou que as propostas de pagamento das progressões horizontais (que garante mais de 2% de reajuste para 22 mil profissionais da educação) e das progressões verticais (por qualificação) são alternativas para viabilizar ganhos reais às categorias sem desobedecer a Lei de Responsabilidade Fiscal, que limita a oferta de aumento percentual da data-base. 

“Desde que iniciou o diálogo com as categorias, por meio da Seduc, as pautas apresentadas têm sido analisadas e poderão ser atendidas em curto, médio e longo prazo, conforme acertado em quatro reuniões com o Sindicato do dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam)”, informou o Executivo.

Além das progressões, o governo estadual sinalizou positivamente para outras solicitações da categoria, como adequação da hora de trabalho pedagógico (HTP), vale-transporte para todos os profissionais sem desconto de 6% na folha salarial, auxílio-alimentação por turno e auxílio-localidade, melhoria no atendimento do plano de saúde Hapvida, plano de saúde para os professores do interior e melhoria das condições de segurança e estrutura nas escolas.

publicidade
publicidade
Amazonas está há dois dias sem registrar casos de gripe H1N1
Fiscalização encontra irregularidades em prédios da Perícia do Amazonas
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.