Publicidade
Manaus
'MAUS CAMINHOS'

José Melo e Edilene Oliveira deixam a prisão após pagamento de fiança

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) terá que monitorar Edilene e Melo por tornozeleira eletrônica, equipamento que o casal já está utilizando, conforme a decisão do TRF1 27/04/2018 às 17:38 - Atualizado em 27/04/2018 às 18:17
Show jos  melo
Foto: Reprodução/Internet
acritica.com* Manaus (AM)

O ex-governador do José Melo e a ex-primeira-dama Edilene Oliveira deixaram a prisão no final da tarde desta sexta-feira (27) após o pagamento de fiança. Um imóvel de propriedade de Edilene localizado na Zona Norte de Manaus avaliado no valor de R$ 350 mil e R$ 31,6 mil em dinheiro foram utilizados para arcar com a fiança de R$ 381,6 mil arbitrada ao casal pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), Melo deixou o Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM 2) às 17h05 e Edilene o Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) às 17h21. As unidades prisionais ficam no km 8 da BR-174 (Manaus – Boa Vista).

O advogado de defesa da ex-primeira-dama, Christian Naranjo, afirmou que o casal Melo está se dirigindo para a residência deles, localizada no Parque das Laranjeiras, na Zona Centro-Sul de Manaus.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) terá que monitorar Edilene e Melo por tornozeleira eletrônica, equipamento que o casal já está utilizando, conforme a decisão do TRF1. Os dois deverão permanecer na capital, sendo impedidos de sair da residência entre as 19h e 6h. Caso Melo resolva ir para o sítio de sua propriedade, que fica em Rio Preto da Eva, ele precisa pedir autorização da Justiça. O casal ficou preso por quase 120 dias.

A Justiça determinou que Edilene e Melo compareçam ao juízo mensalmente nos dias 27. A juíza também deu prazo de 48 horas para que Edilene entregasse o passaporte dela à Justiça, o que foi feito ainda na tarde de hoje pelo advogado dela, Christian Naranjo. O passaporte do ex-governador foi entregue ainda em dezembro passado, quando ele foi preso.

O  ex-secretário estadual de Saúde Pedro Elias, que também pagou sua fiança (R$ 95,4 mil) nesta sexta-feira (27), deixou o CDPM 2 às 17h48, segundo a assessoria. Com a soltura do trio, entre os políticos presos pela Polícia Federal no âmbito da operação “Maus Caminhos”, que desarticulou um esquema de desvio de R$ 110 milhões da Saúde do Amazonas, continua preso apenas Evandro Melo, irmão do ex-governador, que foi secretário estadual de Administração.

Prisão de José Melo

José Melo foi preso pela Polícia Federal na manhã do dia 21 de dezembro de 2017, durante a operação Estado de Emergência, uma das fases da operação Maus Caminhos. Em 2016, a PF afirmou que mais de R$ 110 milhões foram desviados. Segundo a PF, Melo recebia pagamentos periódicos de membros de organização criminosa.

O ex-governador chegou a criar um “gabinete de crise” para facilitar os recebimentos dos pagamentos de propina da organização criminosa. O gabinete seria composto pelas secretarias estaduais de Saúde, Casa Civil, Fazenda e Administração e Gestão, cujos secretários titulares à época foram presos durante a deflagração da segunda fase da “Maus Caminhos”, nomeada de “Custo Político”.

Cinco dias depois da prisão, Melo chegou a ser liberado, mas foi preso novamente no último dia de 2017, após decisão da juíza federal Ana Paula Serizawa.

Prisão de Edilene

A esposa de José Melo, Edilene Oliveira, teve a prisão preventiva decretada no dia 4 de janeiro deste ano, com o marido já preso, após decisão da juíza federal Jaíza Maria Pinto Fraxe.

O ex-governador e a ex-primeira-dama estavam ameaçando as testemunhas da Operação Custo Político, desdobramento da operação Maus Caminhos. Segundo a juíza, os dois envolvidos teriam também ocultado e destruídos elementos de provas.

"Há elementos claros de interferência indevida dos investigados na investigação criminal, na intimidação de testemunhas, na ocultação de bens, na potencial continuidade da prática do crime permanente da lavagem de dinheiro", apontou na decisão, à época.

Na decisão que determina a prisão preventiva do ex-governador José Melo de Oliveira e de sua esposa, Edilene Gomes de Oliveira, a juíza Jaiza Fraxe trata o casal como principal idealizador do esquema descoberto na Operação Maus Caminhos.

*Colaboraram os repórteres Vitor Gavirati, Larissa Cavalcante, Nais Campos e Oswaldo Neto.

Publicidade
Publicidade