Quarta-feira, 28 de Julho de 2021
MISSÃO INTERROMPIDA

Luto na Educação: perda de educadores para a Covid-19 é dano irreparável aos amazonenses

Somente em 2021, o Amazonas já perdeu 120 profissionais da educação para a doença. São histórias e missões de vida que foram levadas e farão falta para sempre



nwdn_file_temp_1614360303985_B7B40937-AF11-4880-832D-464411D6EA1F.jpg Educador há mais de uma década, Lenivaldo Marques foi uma das vítimas da doença. Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal
26/02/2021 às 13:34

Educar. O verbo que é encarado como uma missão por todos os trabalhadores da educação teve contornos trágicos durante a pandemia da Covid-19 em todo o país. Conforme levantamento do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sinteam), o Amazonas perdeu, somente este ano, 120 profissionais para a doença. O número para a capital amazonense também impressiona: foram 42 profissionais mortos pelo novo coronavírus entre 2020 e 2021, entre professores e pedagogos, segundo a Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A triste estatística inclui o trabalhador da rede pública estadual e municipal, o professor do ensino fundamental e médio Lenivaldo Carvalho Marques, que faleceu no mês passado, aos 47 anos, vítima do novo coronavírus. Educador há mais de 10 anos, ele deixou dois filhos e ainda uma neta. A esposa dele, a administradora Ádrian Marques, 42, faz questão de relembrar a trajetória profissional do marido, com quem foi casada por 26 anos.



Segundo ela, ele contraiu o vírus no início do mês de janeiro, quando trabalhava no período noturno na Escola Estadual Waldemiro Peres Lustoza, no bairro Compensa, zona Oeste de Manaus. Ela contou que até a semana do Natal e Ano Novo, ele esteve preenchendo diários e documentos na unidade escolar. Os sintomas apareceram no dia 4, mas foi no dia 10, que o estado de saúde dele se agravou, o que fez com que no dia 11, ele fosse hospitalizado.


Lenivaldo com a família. Foto: Arquivo Pessoal

“Nós, eu, ele e minha filha, ficamos gripados no dia 4 de janeiro. Até o dia 10, estava tudo bem. Ele tinha asma desde pequeno, mas estava controlada, ele fazia tratamento. No domingo, ele estava um pouco cansado, mas achou que era asma e não quis ir ao pronto socorro”, contou.

“Na segunda, dia 11, ele continuava cansado, conversei com ele e aceitou ir ao PS. Antes de sair, eu consegui medir a saturação e estava em 60 e a sobrinha dele, que é médica, disse para levá-lo urgente para o hospital com oxímetro no dedo. Quando saímos de casa, ele estava tonto, um amigo nos levou e dentro do carro, ele já não conseguia falar. O oxímetro foi no dedo e a saturação baixou para 37, foi quando me desesperei”.

No mesmo dia, o professor Lenivaldo Carvalho foi levado para a emergência onde precisou respirar com a ajuda de oxigênio. Já com os dois pulmões comprometidos, ele foi entubado no dia 12 de janeiro, quando faleceu em decorrência da doença.

“A sobrinha dele que foi para lá e me ligou por volta das 17 horas, ele já ia ser entubado. Pedi que ela o mandasse um beijo e dissesse que eu o amava. Às 18h, ela me ligou chorando, ela disse que a intubação tinha sido certinha, mas a pressão estava muito baixa e não estavam conseguindo controlar e mesmo assim eu disse: eu tenho fé no meu Deus”.

“Às 21h, me ligaram para eu ir para o hospital acompanhada de algum familiar. Ali, eu já sabia que ele tinha partido. Eu me desesperei, me revoltei, pois eu não acreditava. Fui para o hospital e o mesmo médico que o internou, ficou com ele até o fim. Não estava circulando mais a corrente sanguínea no corpo dele e ele teve uma parada cardíaca”.

“Ele amava a profissão”

O professor de geografia Lenivaldo Carvalho Marques atuava em três escolas em Manaus, conforme afirmou a esposa dele: Escola Municipal Antônio Moraes, bairro Monte das Oliveiras, zona Norte; Escola Estadual Letício de Campos Dantas, bairro Cidade de Deus, também na zona Norte e na Escola Estadual Waldemiro Peres Lustoza, no bairro Compensa, zona Oeste. Como profissional, Ádrian Marques afirma que ele era um professor dedicado e preocupado com os alunos.


Foto: Arquivo Pessoal

“Ele amava lecionar, tanto é que quando os alunos estavam dispersos e distantes, ele conversava com essas pessoas e também dava direcionamento quando eles não sabiam qual profissão seguir. Quando ele faleceu, eu recebi muitas mensagens de alunos dele que estavam consternados com a partida do Lenivaldo", destacou.

“Eu mesma não tinha conhecimento do quanto ele era querido, acredito que nem ele sabia. O Lenivaldo não foi só bom professor, ele foi um ótimo amigo. Ele se dedicou muito a essa profissão”.

Entre os sonhos interrompidos dele estavam o doutorado, viagens e outras realizações em família. “Desde quando ele morreu, o meu conforto é postar as fotos dele nas redes sociais, falar um pouco sobre ele porque muitos sonhos foram interrompidos. Todo início de ano, nós definimos nossos sonhos e nossas metas e ficou tudo para trás, dessa forma, eu prometi que eu ia levar o nome dele para onde nós fossemos”, finalizou.

Levantamento de Óbitos

De acordo com o levantamento feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sinteam), 120 profissionais que atuavam em educação como professores, pedagogos, auxiliares administrativos, merendeiras, e outros, morreram em decorrência da Covid-19 apenas este ano.

“Nós perdemos inúmeros colegas trabalhadores em educação do Amazonas para o novo coronavírus, o que nos causou muita tristeza uma vez que nós alertamos que os grandes pesquisadores haviam dito que nós teríamos uma segunda onda, caso o Governo do Estado não tomasse algumas precauções como o não retorno das aulas presenciais”, ressaltou a presidente do Sindicato, Ana Cristina Rodrigues.

“Isso contribuiu muito para que tivéssemos essa segunda onda, tanto é que o número de trabalhadores em educação que tiveram suas vidas ceifadas em 2021 é muito expressivo, então é preciso que se tenha muita cautela e respeito à vida dos trabalhadores”, disse ainda. 

Resposta das Secretarias de Educação

A Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) afirmou, em nota, que a pasta está trabalhando com a notificação espontânea por parte dos familiares das vítimas. Segundo o órgão, até esta quinta-feira foram notificados à secretaria 102 casos de óbitos decorrentes de complicações de Covid-19. “Vale destacar que os óbitos são de notificação espontânea e só estão contabilizados casos especificados como Covid-19”.

E ainda ressalta que adotou as aulas remotas neste início de ano letivo como medida de prevenção à Covid-19 no ambiente escolar. Dessa forma, os profissionais podem trabalhar de casa no auxílio aos estudantes, sem necessidade de deslocamento às escolas. Além disso, a pasta afirma que segue disponibilizando a testagem gratuita àqueles que precisarem ou quiserem testar se foram contaminados. Outra medida adotada pela Secretaria de Educação são os conteúdos voltados para a saúde mental dos  profissionais, que podem ser acessados pelas plataformas Saber+,  Aula em Casa e Vivescer.

Já a Secretaria Municipal de Educação (Semed Manaus) reiterou que existe um grupo de trabalho o qual faz o monitoramento epidemiológico e realiza ações de prevenção para evitar a propagação do coronavírus nas escolas e na sede, reforçando o uso de máscaras e respeitando o distanciamento social dentro dos ambientes de trabalho.

“A Semed afirma ainda que está focada em manter a segurança de alunos, professores e familiares, e por isso, a volta das atividades presenciais nas unidades de ensino só deve acontecer quando a pandemia em Manaus estiver controlada, com um número menor de infectados”.

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.