Publicidade
Manaus
FUMAÇA NEGRA

Moradores reclamam de poluição atmosférica causada por fábrica em Manaus

Fumaça resultante da mistura de minérios e secagem da massa asfáltica tem prejudicado residentes do bairro Tarumã e Campos Sales, na Zona Oeste 14/11/2018 às 14:03 - Atualizado em 14/11/2018 às 14:04
Show polui  o here efb47e3e 6f0e 4396 b907 2706a6e0704d
Movimentação de caminhão na empresa Terra Plana Comércio, Locação e Terraplanagem, na Estrada do Tarumã (Foto: Junio Matos/Freelancer)
Cecília Siqueira Manaus (AM)

Moradores dos bairros Tarumã e Campos Sales, ambos localizados na Zona Oeste da capital amazonense, reclamam de excessiva poluição atmosférica causada pela fábrica Terra Plana Comércio, Locação e Terraplanagem, situada na Área de Proteção Ambiental (APA) Tarumã. A fumaça negra resultante da mistura de minérios e secagem da massa asfáltica tem prejudicado a saúde dos moradores das comunidades, que relatam problemas respiratórios principalmente entre idosos e crianças.

De acordo com o soldador Antônio Nunes Vieira, 41, o problema acontece há aproximadamente dois anos. Por conta disso, os órgãos Instituto Ambiental do Amazonas (Ipaam) e Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) já foram acionados para realizar fiscalização no local, entretanto, a fuligem tóxica e densa continua sendo expelida na floresta pela usina, que não conta com chaminés específicas para a ação.

“Moro aqui desde 2008, inclusive tem outra fábrica de asfalto, que foi denunciada e eles instalaram as estruturas apropriadas, chaminés e filtros. Essa empresa polui e continua poluindo com a fumaça preta, que chega a ser sufocante, pois agora tem até um forte odor de gás. Provavelmente é alguma coisa que eles queimam lá e resulta também nisso”, suspeita Vieira.

Inquérito

Em março deste ano, foi pedido ao Ministério Público do Amazonas (MP-AM) a instauração de um inquérito civil público, entretanto o mesmo foi negado pelo promotor Francisco Assis Arguelles, da Justiça Especializada na Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (PRODEMAPH), por falta de provas que qualifiquem o crime ambiental. Em resposta a essa decisão, Antônio Nunes Vieira resolveu criar uma página no Facebook, onde atualiza diariamente a ocorrência da fumaça.

Os vídeos, que são datados e devidamente especificados na página “Vamos Combater o Crime Ambiental Manaus Amazonas”, mostram que a fumaça aparece nos mais diversos horários.

“É uma fumaça que parece brotar do chão. Sabemos que é de lá, já que é o único imóvel ali, naquela área. Já tentei gravar um vídeo nas proximidades, mas fui intimidado com um disparo de arma. O que pedimos são providências dos órgãos ambientais para que fiscalizem e vejam se isso está correto. Dizem que o dono da empresa é um político influente e isso intimida muitas pessoas, inclusive a associação de moradores da comunidade. A gente não aguenta mais”, afirma o soldador.

Crianças sofrem

Segundo o Departamento  de Licenciamento da Semmas, a indústria registrada como Terra Plana Comércio, Locação e Terraplanagem, situada na Estrada do Tarumã, não possui processos relativos às denuncias. Já o Ipaam, foi contatado, porém até o fechamento desta edição, o órgão não retornou as solicitações da reportagem quanto ao licenciamento ambiental ou rotinas de fiscalização.

O tempo seco do verão amazônico contribuiu para as passagens rotineiras da pequena Carla Beatriz, 4, pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales. Conforme a mãe da menina, a doméstica Márcia Pereira, 28, além de ter ficado gripada, a criança sofreu ainda mais com a poluição tóxica do ar.

“Ela estava com secreção e piorava muito quando começava esse fumacê. O pouco vento que tinha estava trazendo para nossa casa essa fumaça. Ainda bem que ela se recuperou da gripe, mas ela reclama que o olho arde. Se a gente que é adulto sente, imagina os pequenos”, sugere Márcia.

Publicidade
Publicidade