Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
photo4920681157457193022_DDCB900E-FDB3-4FC7-9606-1E2AAD7E7701.jpg
publicidade
publicidade

HOMOFOBIA

Motorista do 99Pop se recusa a fazer corrida em Manaus por cliente ser homossexual

“Não curto fazer corrida para viado não, beleza. Melhor tu cancelar por aí. Pede outro”, disse o condutor para o passageiro por mensagem. Cliente registrou Boletim de Ocorrência sobre o caso


13/03/2019 às 20:00

Um motorista do aplicativo de transporte 99Pop se negou a fazer uma corrida em Manaus, no último domingo (10), alegando não gostar de atender passageiros homossexuais. O passageiro vítima de homofobia, um cabeleireiro e maquiador de 29 anos, registrou Boletim de Ocorrência (B.O.) sobre o caso no 3º Distrito Integrado de Polícia.

Na madrugada de domingo, por volta de 00h37, o rapaz que preferiu não se identificar solicitou uma corrida por meio do aplicativo. Na ocasião, o rapaz sairia do bar 161, situado na Avenida Simão Bolivar, no Centro, com destino a uma boate na mesma região da cidade, para encontrar amigos.

Na conversa que teve por mensagem com o motorista designado pelo aplicativo para atendê-lo, o condutor, identificado como Fredson, pergunta se o passageiro está no bar. Ao receber a confirmação do cabeleireiro, automaticamente o homem se nega a buscá-lo.

“É viado não, né? Não curto fazer corrida para viado não, beleza. Melhor tu cancelar por aí. Pede outro”, diz por mensagem o motorista. A vítima relatou que naquele momento sentiu medo e teve uma crise de choro.

“Depois que li aquelas mensagens, ainda fiquei pensando se pediria outro carro. Pelo aplicativo pude ver que o carro dele estava à 400 metros de mim. Temi pela minha vida”, complementou o cabeleireiro que cancelou a viagem após a conversa.

O rapaz solicitou um segundo carro pelo mesmo aplicativo. Segundo ele, ainda nervoso, contou ao segundo colaborador da 99 o que tinha acabado de acontecer. “Ele repudiou totalmente a atitude do colega. Inclusive, me apoiou. E não concordou com a ação de negar corrida para alguém só porque a pessoa é homossexual”, declarou o cabeleireiro, que registrou o B.O na segunda-feira (11).

publicidade

“Como no Brasil a homofobia ainda não é crime, na delegacia tipificaram como injúria. O caso foi transferido. Na quinta-feira (14), comparecerei ao 24º DIP para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. Eu procurei o escritório da 99 aqui em Manaus, localizada na Avenida Ephigênio Salles, e no lugar não fizeram nada. O atendente só me entregou um número e um e-mail para entrar em contato”, disse.

Demora na resposta

O cabeleireiro enviou um e-mail para a empresa com a imagem da conversa com o conteúdo homofóbico, bem como, o B.O. A demora na resposta fez com que o rapaz ligasse para a central. “Só depois que eu liguei que a atendente foi abrir o meu e-mail. Ela disse que a empresa irá tomar as providências e, aproveitou, para dizer que esse tipo de comportamento não é compatível com a 99. Depois disso não tive retorno de mais nada”, frisou.

Questionada na rede social Twitter por um dos amigos do cabeleireiro, a 99, por meio do seu perfil oficial afirmou que já tomou providências sobre o caso. “Olá! Nós lamentamos profundamente essa situação e gostaríamos que soubesse que já estamos atuando em relação ao ocorrido, para evitar que este episódio se repita”, diz a 99 em um de seus tweets (veja respostas abaixo).

 

 

O Portal A Crítica tentou entrar em contato com a empresa 99, mas até a publicação desta matéria não obteve resposta.

publicidade
publicidade
Rodoviários ameaçam realizar nova greve nos próximos dias em Manaus
Polícia Civil cumpre mandados de prisão em bairros de Manaus durante operação
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.