Publicidade
Manaus
FUGA

Por meio de túnel, cerca de 25 presos fugiram do Centro de Detenção Provisória Masculino 2

Segundo o secretário de Administração Penitenciária (Seap), Cleitman Coelho, este é o quarto túnel construído desde a inauguração do presídio 12/05/2018 às 11:35 - Atualizado em 12/05/2018 às 11:57
Show whatsapp image 2018 05 12 at 10.45.37
Policiais militares, Força Tática e agentes especiais foram acionados para operação (Jair Araújo)
Danilo Alves Manaus (AM)

Cerca de 25 detentos do Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPM2), no quilômetro 8 da BR-174,  fugiram por um túnel construído no Pavilhão 5 da unidade, durante a manhã deste sábado (12). O secretário de Administração Penitenciária (Seap), Cleitman Coelho, informou que o número preciso de internos foragidos está sendo contabilizado neste momento. 

Cleitman explicou que esse foi o quarto túnel construído pelos detentos do Pavilhão, desde quando o presidio foi inaugurado, em 2017. Agentes penitenciários flagraram, por volta das 8h30, alguns internos entrando no túnel. 

"Os agentes do canil chegaram a atirar, mas muito dos detentos do Pavilhão ja tinham fugido pela mata. Após isso, eles acionaram imediatamente a Polícia Militar. Em pelo menos três celas houve fuga de presos ". 

Além da PM, que acionaram suas Rondas ostensivas e Força Tática, agentes de operações especiais também ciularam pelo perímetro das unidades prisionais da BR-174. De acordo com o secretário da Seap, após a contagem os detentos serão identificados e as imagens serão divulgadas para órgão de segurança e imprensa. 

"Vamos também responsabilizar aqueles que participaram na fuga, além de montar uma estratégia para evitar novos problemas ".

Caso recente

Dois meses atrás, em março, um túnel foi encontrado no pavilhão 5, do CDPM2, localizado no km 8 da BR-174 (Manaus – Boa Vista). A escavação foi descoberta durante uma vistoria dos servidores da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e agentes da Umanizzare Gestão Prisional durante o procedimento de tranca na unidade, após denúncia anônima.

Publicidade
Publicidade