Publicidade
Manaus
EM RITMO LENTO

Projeto contra taxas abusivas de esgoto coletou apenas 2,5 mil assinaturas

Documento tem que ter no mínimo 12,5 mil assinaturas para proposta entrar em tramitação. Atualmente, somente 20% da capital é atendida pelo esgotamento público 06/03/2018 às 06:58 - Atualizado em 06/03/2018 às 15:45
Show taxas
Foto: Arquivo/AC
Silane Souza Manaus (AM)

A adesão da população manauense ao projeto de lei de iniciativa popular que visa criar faixas diferenciadas de cobrança para a tarifa de esgoto continua extremamente tímida, de acordo com o defensor público Carlos Alberto Souza de Almeida Filho, titular da 1ª. Defensoria Especializada em Atendimento de Interesses Coletivos (DPEAIC).

O documento tem que ter no mínimo 12,5 mil assinaturas, o equivalente a 1% do eleitorado da cidade, para ser apresentado a Câmara Municipal de Manaus (CMM), mas até agora pouco mais de 2,5 mil cidadãos assinaram a proposta.

Carlos Alberto disse que está fazendo parceria com instituições locais para conseguir as 10 mil assinaturas que faltam. A Cáritas Arquidiocesana de Manaus foi uma das que aceitaram ajudar. “Só vamos sossegar quando conseguirmos essas assinaturas. A igreja disse que em dois meses a gente consegue. Quanto mais cedo alcançarmos a meta, mais rápido teremos uma definição. Se eu conseguir essas 12,5 mil assinaturas hoje, amanhã protocolo o projeto na Câmara Municipal”, garantiu.

A ideia do projeto partiu do vereador Chico Preto (PMN), em uma reunião entre parlamentares em uma comissão da CMM, que apresentaram a proposta à Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), que lançou a iniciativa de coleta em dezembro do ano passado, por conta das inúmeras reclamações de consumidores levadas à DPEAIC contra a cobrança da tarifa de esgoto na base de 100% sobre a fatura de água, sem a existência do serviço.

A proposta prevê que a tarifa de esgoto, cobrada em percentual sobre a fatura de água consumida, não poderá exceder aos seguintes percentuais: 100% (cem por cento), nas faturas industriais; 80% nas faturas comerciais; 50% nas faturas residenciais; 20% nas faturas residenciais beneficiadas com Tarifa Social.

A DPE-AM mantém postos de coleta das assinaturas na sede da instituição, na rua Maceió, bairro Nossa Senhora das Graças, na rua 24 de Maio, nº 321 Centro, e no Polo Avançado da Família que funciona no Uninorte, na rua Major Gabriel esquina com a Emílio Moreira, e onde houver ação da Defensoria Itinerante a população poderá participar.

O presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da CMM (Comdec), Álvaro Campelo (PP), ressaltou que a população precisa assinar o documento para que o projeto de lei de iniciativa popular tramite. “Nós precisamos ter 12,5 mil assinaturas para que esse assunto comece a ser debatido. Eu acredito que ainda neste semestre isso aconteça”, afirmou.

‘Sem respaldo técnico’

O vereador Chico Preto (PMN) disse que a cobrança da tarifa de esgoto na base de 100% sobre a fatura de água é feita sem embasamento técnico e ainda tem o agravante de ser cobrada em áreas que não contam com o serviço, como mostrou A CRÍTICA na edição de ontem.

Para ele, só uma mobilização da população pode fazer com que haja um projeto de lei que mude o modo como essa cobrança vem sendo feita. “Eu não vejo disposição da maioria (dos vereadores) para iniciar essa discussão, por isso a minha concepção é que ela venha de fora para dentro”.

O presidente da Comissão de Água e Saneamento da CMM, David Reis (PV), afirmou que houve quatro audiências públicas sobre o tema no ano passado. Agora, com a negociação de compra e venda da concessionária de água, ele espera que os serviços sejam prestados com maior qualidade. “Nós vamos convocar a empresa para prestar esclarecimentos em uma audiência pública que deve acontecer nos próximos dias e vamos ficar atentos e cobrar investimentos”.

Publicidade
Publicidade