Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

Jovem acusa motorista da Uber de ameaçá-lo de morte após conversa sobre política

‘Ele me puxou pelo braço e disse que ia me matar se eu não calasse a boca’, afirmou Eloi Capucho Ferreira, 28, em depoimento 08/10/2018 às 19:09 - Atualizado em 09/10/2018 às 15:49
Show publicit rio ebd68716 7761 4af0 82b2 3d7365c66933
Eloi Capucho Ferreira, 28. Foto: Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

O publicitário Eloi Capucho Ferreira, 28, alega ter sido ameaçado de morte por um motorista da Uber, durante uma corrida na manhã de segunda-feira (8), no bairro Parque 10, Zona Centro-Sul de Manaus. O condutor, identificado como Oziel, o puxou pelo braço e disse que iria matá-lo, após uma discussão sobre o cenário político atual.

A vítima relatou que solicitou o aplicativo, por volta das 8h40, e dentro do veículo, um Siena, o motorista o questionou sobre o contexto político do país. Segundo o publicitário, a discussão iniciou ao se declarar LGBT e que estava com medo do cenário por conta da homofobia. “Eu falei que me sinto afrontado com tudo isso, e com medo por conta dessas agressões psicológicas contra nós (LGBT) e ele se sentiu ofendido”, explicou.

O publicitário relatou que o motorista começou a falar sobre o fato de que “gay tinha que morrer mesmo” e, após vários insultos, os dois iniciaram uma discussão. “Em nenhum momento eu mostrei em que iria votar ou quem era meu candidato, e eu entendi que ele era do Bolsonaro, e respeitei, mas ele começou a ficar furioso, com os olhos vermelhos e até me mostrou a bíblia dele”, contou.

Em seguida, o publicitário alega que a discussão começou a tomar rumo mais agressivo e, por conta disso, preferiu encerrar a conversa, pedindo que o motorista se portasse como motorista. “Nesse momento falei pra ele ser motorista e eu cliente, eles começam as conversas para ser simpáticos, mas nesse caso depois que falei isso, ele me puxou pelo braço e disse que ia me matar se eu não calasse a boca”, afirmou.

Segundo ele, após isso, abriu a porta do carro em movimento e depois que o motorista parou, correu e fugiu. “Eu tive que abrir a porta, ele viu e então parou o carro, eu peguei minha bolsa e fugi. Fui pra casa”, disse. O publicitário registrou um Boletim de Ocorrência no 23º Distrito Integrado de Polícia por injúria contra o motorista Oziel.

Em nota, a Uber informou que tem uma política de tolerância zero a qualquer forma de discriminação em viagens realizadas na plataforma. "Assim que soubemos do incidente, entramos em contato com o usuário para oferecer apoio e tomar as medidas necessárias. A Uber defende o respeito à diversidade e reafirma o seu compromisso de promover o respeito, igualdade e justiça para todas as pessoas que se declaram LGBTQIA+", diz trecho do documento. 

Publicidade
Publicidade