Publicidade
Manaus
TRABALHO MAL FEITO

Sem rotas para ônibus, trecho da Avenida das Torres é liberado para veículos

Via foi liberada para o tráfego de veículos sem novas rotas de coletivos, faixas de pedestre e fiscalização de trânsito 01/12/2018 às 02:09 - Atualizado em 01/12/2018 às 09:02
Show avenida 890b90c9 1d21 42c1 b34f f46e81a47c0f
Foto: Euzivaldo Queiroz
Karol Rocha Manaus (AM)

Apesar do prolongamento da Avenida das Torres ter sido entregue ontem à população, a circulação do transporte coletivo e as linhas que devem atender a localidade ainda precisam ser estudadas pela Prefeitura de Manaus, que afirmou não ter sido convidada a participar do planejamento e execução de serviços de entrega da nova via.

Por conta disso, as equipes da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) e do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) devem fazer uma visita técnica na avenida, na próxima segunda-feira, para verificar se as especificações da via obedecem às normas técnicas vigentes.

Conforme as necessidades encontradas, um relatório será enviado pela prefeitura ao governo estadual para que as devidas medidas sejam adotadas.  A prefeitura ressaltou que, apesar da obra não ter sido oficialmente entregue ao Município, a SMTU fez um levantamento prévio da avenida.

Paradas em ladeiras

A superintendência ressaltou que, durante a execução da obra, “identificou estruturas de ônibus posicionadas em ladeiras e inadequadas aos usuários, situações devidamente comunicadas ao Estado, porém ainda sem providências”.

A SMTU  informou ainda  que já possui um planejamento para os ônibus que circularão pela avenida, e o Manaustrans avisou que também está preparado para executar as intervenções na área. Porém, antes de realizar as intervenções, ressaltou a prefeitura, “é necessário que seja observada a competência junto ao órgão executor do projeto”.

Doze anos de obras

A via entregue ontem demorou 12 anos para ser totalmente finalizada e interliga as zonas Centro-Sul e Norte de Manaus.

São 11,1 quilômetros de extensão do prolongamento liberado ontem, totalizando 17 quilômetros de toda a Avenida das Torres. Ao longo da via prolongada foram construídas três passagens de nível.

“É um trabalho de complementação de uma obra extraordinária, uma das maiores obras da cidade executada pelo estado com recursos federais, que foi idealizada lá atrás por outros governadores. O fato é que nós tivemos um mandato curto de um ano e concluímos tudo isso”, destacou o governador Amazonino Mendes, ontem pela manhã, durante a cerimônia de entrega da obra.

Para condutores, a obra deve melhorar o fluxo.  “Vai diminuir o tráfego na Torquato Tapajós, porém vai ser apertado para quem dirige pela Bola do Coroado”, comentou o taxista Josenildo Bandeira, de 43 anos.

Trecho com postes sem energia

Moradores das redondezas da rua S, que dá acesso ao conjunto Galileia e por onde passa o prolongamento da av. das Torres, disseram que a nova  via   precisa de iluminação.  Falta luz no poste. E também não tem sinalização”, reclamou José Arimatéia de 68 anos, morador do conjunto Renato Souza Pinto.

“De um lado é Galieia e do outro é o conjunto. O que falta é iluminação nessa parte, porque aqui sofremos  com os assaltos. A gente fala com prefeitura ‘e não é’ com eles, chega no Estado ‘e  também não é’”, disse   Marcelo Ranier,  37 anos, também condutor.

Conforme o engenheiro fiscal da obra, Francisco Souza, faltam ajustes,  como a sinalização. “Faltam as travessias para pedestres.   Quanto às fiscalizações, vamos marcar uma reunião com o Manaustrans para que os condutores não acessem na contramão. Já a iluminação recebemos as solicitações dos moradores e vamos verificar isso o mais rápido possível”, prometeu.

Etapa tem 28  paradas de ônibus

O custo total desta segunda etapa da Avenida das Torres (as Flores) foi de R$ 259,6 milhões, segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). A soma dos valores investidos nas duas etapas, por sua vez, totaliza R$ 307,8 milhões.

A obra do prolongamento  é uma das promessas de  “fluidez ao trânsito em toda a capital, trazendo economia e encurtando distâncias”. “A avenida das Torres se transformará, junto aos anéis viários Sul e Leste, em uma nova alternativa de rota para os veículos que trafegam entre as zonas Centro-Sul, Norte e Leste de Manaus”, acentuou o secretário da Seinfra, Oswaldo Said.

A nova etapa da avenida terá duas mãos de fluxo, sendo três faixas para a circulação de veículos em cada uma delas. Ainda de acordo com a Seinfra, os coletivos irão contar com uma pista exclusiva para trafegar e terão 28 paradas de transporte padronizadas para atender a população.

Publicidade
Publicidade