Publicidade
Cotidiano
NO INTERIOR

Homem morre e nove ficam feridos em confusão na delegacia de Caapiranga

Entre os feridos estão um delegado e um promotor. População foi até a delegacia após uma mulher ser presa suspeita de executar um morador da cidade 22/08/2018 às 21:59 - Atualizado em 22/08/2018 às 22:15
Show whatsapp image 2018 08 22 at 21.44.33 4b0ba9f1 f76d 4044 9834 6036b859d2fa
Foto: Reprodução/Internet
Vitor Gavirati e Rafael Seixas Manaus (AM)

Um homem morreu e nove pessoas ficaram feridas na confusão que ocorreu, na tarde desta quarta-feira (22), na 32º Delegacia Especializada de Polícia em Caapiranga (a 134 km de Manaus). A informação foi repassada pela diretora do Hospital Odilon Alves de Araújo, Luzia Gomes. Entre os feridos estão um delegado e um promotor de Justiça, segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil.

Moradores de Caapiranga foram ao prédio da Delegacia “para fazer justiça com as próprias mãos”, segundo informou a assessoria de imprensa da Polícia Civil. O alvo seria uma mulher presa nesta manhã suspeita de executar um morador da cidade.

A reportagem teve acesso a vídeos onde é possível ver uma aglomeração de pessoas em frente à Delegacia, ouvir barulhos de disparos e uma mulher aparece sangrando com ferimento na cabeça. Em um dos vídeos, algumas pessoas aparecem jogando pedaços de madeira e pedras contra o prédio da unidade policial.

Segundo Luzia, o rapaz morto aparenta ter entre 24 e 25 anos. Cinco dos nove feridos foram levados ao município de Manacapuru (a 68 km de Manaus) para receberem atendimento médico. Os outros quatro tiveram alta após serem atendidos com ferimentos leves no hospital de Caapiranga. A diretora e a assessoria da Polícia Civil não souberam confirmar o atual estado de saúde dos pacientes transferidos até a publicação desta matéria.

Horas antes

Mais cedo, a Polícia Civil enviou reforço policial de quatro investigadores e um delegado lotados no município de Manacapuru para tentar garantir a integridade da Delegacia, dos servidores e da presa.

“Segundo informações, há suspeitas de que o homem tenha sido executado pela mulher, porém, até o momento o corpo não foi encontrado. Após a detenção da mulher, populares começaram uma aglomeração em frente ao prédio da 32ª DIP, com intuito de fazer justiça com as próprias mãos”, diz trecho da nota enviada pela Polícia Civil.

Publicidade
Publicidade