Publicidade
Cotidiano
PRESIDENTE FIGUEIREDO

Volume e força das águas dificultam buscas por turista que desapareceu em cachoeira

A Crítica acompanhou o trabalho das equipes de buscas ao longo dessa quarta-feira (11) e registrou os desafios para localizar a carioca Michele Santos, que sumiu após cair numa fenda ao tentava tirar uma "selfie" 12/07/2018 às 07:05 - Atualizado em 12/07/2018 às 08:55
Show ok
Chuvas dos últimos dias na região fizeram a vazão de água ficar maior. Fotos: Álik Menezes
Álik Menezes Presidente Figueiredo (AM)

Quatro dias após o desaparecimento de Michele Santos da Costa, de 30 anos, que escorregou em uma pedra e caiu na Cachoeira do Santuário, em Presidente Figueiredo, as equipes de resgate enfrentam dificuldades para localizar o corpo em decorrência da chuva intensa e da força da correnteza. Nessa quarta-feira (11), o Portal A Crítica acompanhou o trabalho do Corpo de Bombeiros, dos salva-vidas da Guarda Municipal e da Defesa Civil do município. 

O comandante da Guarda Civil, Roni Rildo Queiroz, contou que, apesar do empenho das equipes e da longa experiência nesse tipo de resgate, o volume de água e correnteza dificultam o acesso a uma espécie de fenda debaixo da pedra que a turista escorreu e caiu no último domingo. É lá que eles acreditam que o corpo de Michele possa estar preso.


Foto: Alik Menezes

“Esses últimos três dias tem sido de chuva aqui no município, a corredeira ficou muito volumosa. Então, nós estamos enfrentando dificuldade com relação ao local que ela escorregou e caiu, mas estamos trabalhando de forma intensa”, disse Queiroz. 

Diante do volume e força da corredeira, os salva-vidas e bombeiros estão usando a técnica de rapel para descer ao máximo que podem e utilizam uma vara de madeira na tentativa de localizar o corpo de Michele em uma área que eles ainda não conseguiram acessar. As equipes também começaram a utilizar, ontem, uma câmera (GoPro) para filmar essa área inacessível na tentativa de captar indícios de que o corpo da moça esteja realmente preso na fenda. 

“Até domingo o nível da água estava baixo e deu para fazer 85% do serviço de mergulho, mas no período da noite de segunda para terça-feira choveu muito e aumento o nível da água de seis para nove metros. Agora estamos descendo de rapel e usando uma vara para tentar localizar a moça”, disse o salva-vidas Rodrigo Martins. 


Foto: Alik Menezes

Apesar do nível da água ter baixado ontem, Rodrigo Martins disse que isso acontece de forma muito lenta. “Não podemos afirmar que o corpo está lá, mas a fenda é o único local que não fizemos a varredura. O nível da água começou a baixar lentamente porque ainda chove muito nas cabeceiras”, disse. 

As buscas  encerraram por volta das 18h20 e devem recomeçar na manhã desta quinta-feira (12). “Enquanto essa água não baixar, não diminuir o volume, a gente não vai conseguir fazer uma busca ali no local onde ela possivelmente está engatada”, explicou o sargento R. Araújo, do Corpo de Bombeiros.

Família acompanha o resgate

Carioca, Michele era contadora e morava em Manaus há cerca de um ano. Ela veio  para a capital amazonense por conta do trabalho. No momento da queda, ela estava acompanhada de uma amiga, que registrou um boletim de ocorrência contando que Michele caiu na cachoeira ao se desequilibrar tentando tirar uma fotografia “selfie”.

Procurada pela reportagem, a amiga preferiu não comentar o caso devido ao abalo emocional. Familiares da contadora desembarcaram ontem na capital amazonense  e seguiram para Presidente Figueiredo, onde acompanharam parte das buscas. 

Trecho é sinalizado

O entorno do local onde Michele Santos escorregou e caiu, por volta as 7h30 de domingo (8), possui duas placas alertando sobre o perigo de ultrapassar a área, isolada apenas com  fitas e correntes plásticas: “Acesso proibido” e “Cuidado pedras lisas”. Nessa quarta-feira, representantes da empresa que Michele trabalha e o dono do “Santuário” acompanharam o trabalho das equipes de resgate.

Em números

Em números, 12 metros é altura do trecho de onde Michele Santos da Costa caiu, segundo informou o Corpo de Bombeiros. O local é de difícil acesso e fica entre três grandes pedras. A Cachoeira do Santuário é um tradicional ponto turístico do município de Presidente Figueiredo (a 125 quilômetros de Manaus).

Publicidade
Publicidade