Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
DENÚNCIA

Quinta vítima de médico acusado de estuprar pacientes relata abusos sofridos

Mulher que estava grávida do primeiro filho quando foi atendida por Júlio Adriano disse que ele passou as mãos nos seios dela. 'Eu não estava sendo examinada, estava sendo aliciada'



MEDICO_D8E52692-9E57-4018-A749-A932C85C1B51.JPG
23/04/2019 às 16:26

Jéssica* tinha 23 anos da idade e estava grávida de seu primeiro filho quando foi estuprada pelo médico Júlio Adriano da Rocha Carvalho durante consultas médicas. O relato foi feito pela denunciante, tratada nesta matéria por um nome fictício, na manhã desta terça-feira, ao delegado Marcelo Martins, titular do 24º Distrito Integrado de Polícia. O delegado é responsável pelo inquérito que apura as denúncias de estupro contra o profissional de saúde. 

Quinta mulher a denunciar o médico pelo mesmo crime, Jéssica, moradora da comunidade Parque São Pedro, bairro Tarumã, Zona Oeste, disse que no dia 8 de novembro de 2014,  quando estava grávida, teve problemas de saúde e foi à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales.
 
Nos primeiros meses de gestação, a vítima relatava fortes dores no estômago e foi encaminhada para ser atendida pelo médico Júlio Adriano. “Eu narrei a ele o que eu estava sentindo naquele momento e o avisei que estava grávida”, contou a mulher.

Jéssica ressaltou ter achado estranho o fato de o médico ter trancado a porta do consultório. Em seguida, segundo a vítima, Júlio pediu para que ela levantasse o vestido para examiná-la. Ela resistiu, porém o médico insistiu dizendo que era necessário. Já com o vestido levantado, o médico mandou que ela deitasse na maca e passou a chamá-la de “bebê”.

De acordo com Jéssica, o médico elogiou o corpo dela e passou a 'examiná-la' passando as mãos em várias partes do corpo da paciente. “Eu percebi então que não estava sendo examinada pelo médico, mas sendo aliciada. Ele passou as mãos nos meus seios, nas minhas nádegas e tentou colocar as mãos dentro da minha calcinha”, relatou Jéssica.

A vítima contou ainda que por várias vezes tentou empurrar Júlio Adriano, mas não conseguiu porque foi ficando travada, sem acreditar no que estava acontecendo. O médico chegou a puxá-la para que sentasse em seu colo com a finalidade de manter relações sexuais com ela. Ele, então, segundo os relatos, abriu a porta e deixou a vítima sair mas avisando para que ela não falasse nada para ninguém.

A vítima só concordou em denunciar o médico depois que outras vítimas dele fizeram.  A polícia acredita que o número de vítimas de estupro domédico Júlio Adriano podem chegar a mais de dez. O delegado Marcelo Martins disse que as investigações apontam outras mulheres e que a polícia vai tentar localizá-las.

Histórico

O médico Júlio Adriano da Rocha Carvalho, 33, foi denunciado à Justiça pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) por estupros contra pacientes. Em depoimento, elas afirmam que ele aproveitou da condição delas de paciente para estuprá-las dentro de consultórios durante atendimentos médicos. As primeiras vítimas são uma professora, uma cobradora de ônibus e uma estudante. 

A denúncia foi assinada pelo promotor de Justiça da 7ª Vara Criminal, Ednaldo Medeiros, e recebida pela juíza Careen Aguiar, que determinou que o médico fosse afastado das suas funções e monitorado por meio de tornozeleira eletrônica. 

 As vítimas relataram que ele trancava a porta do consultório e as atacava, passando as mãos nos seus seios, tentando beijá-las à força e em uma delas tentou fazer penetração.

Novos inquéritos

Além de Jéssica, Júlio Adriano já foi denunciado pela prática do mesmo crime contra outras quatro mulheres. As três primeiras denúncias já foram enviadas à Justiça e o aparecimentos de duas outras fez com que a Polícia Civil instaurasse um outro inquérito. O delegado orientou que outras mulheres devem procurar o 24º DIP caso tenham sido vítimas 
 

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.